Airbus planeja fábrica na China para desbancar Boeing

130

O primeiro dia da visita à França do primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, terminou com a assinatura de um acordo que menciona a possível construção de uma fábrica de peças de aviões da Airbus na China, uma medida que poderia garantir a vitória ao consórcio europeu na disputa com a norte-americana Boeing no país. Nesta segunda-feira, foi concluída uma compra de 150 aviões da Airbus pela China por US$ 9,7 bilhões.

Em troca de contratos de venda de aviões, que devem ser formalizados nesta semana, a Airbus também aceitou transferir tecnologia e garantir maior abertura à indústria chinesa. Jiabao, que tem programados quatro dias de trabalho na França, começou a viagem por Toulouse, onde chegou no início da tarde para assistir à assinatura do acordo entre seu país e a Airbus.

O memorando de entendimento abre ainda o programa do futuro avião A350 do construtor aeronáutico europeu à China, à qual se oferece uma participação de até 5%, explicou a Airbus em comunicado.

Tal participação implicaria tanto a atividade de desenho, no centro de engenharia que a Airbus montou na China, como a fabricação de componentes e partes do avião sob a responsabilidade das empresas chinesas.

A indústria do gigante asiático se beneficiaria assim dessa transferência tecnológica sobre o A350, um modelo cuja exploração comercial deve começar em 2010, com uma capacidade máxima de 285 passageiros e um raio de ação de 15,9 mil quilômetros.

A Airbus cede nesse terreno porque sabe que não pode deixar passar um mercado como o chinês, disputado com a americana Boeing, e que alguns estimam que poderia representar cerca de 2,7 mil aviões vendidos nos próximos 20 anos.

O acordo com a Airbus – que inclui também o compromisso do grupo europeu de aumentar seus ônus aos fabricantes chineses a 60 milhões de euros anuais em 2007 e a 120 milhões em 2010 – aparece como a contrapartida dos contratos milionários que devem ser formalizados amanhã em Paris.

Jiabao encerrou sua estada em Toulouse à tarde e voou a Paris, onde será recebido nesta terça-feira pelo presidente francês, Jacques Chirac, antes de se encontrar com Dominique de Villepin para a assinatura desses contratos.

Nesta segunda-feira, a Airbus fechou nesta segunda-feira pedido de 150 aviões da China, um acordo de cerca de 9,7 bilhões de dólares.

A expectativa era de venda de 70 jatos durante a visita, mas as negociações evoluiram depois da chegada de Jiabao à França.

Comentaristas da mídia francesa viram o acordo como recompensa pela melhora dos laços políticos da China com a França, que está fazendo campanha com a Alemanha para que a União Européia derrube embargo de venda de armas para a China.

FONTE: Agência EFE – Agência EFE – São Paulo/SP

Publicidade