Caça F-5EM (modernizado) agora operacional

281

A Base Aérea de Canoas recebeu ontem a primeira aeronave F-5EM (nova designação do modelo) que passou por um processo de modernização, com a atualização dos equipamentos. A aeronave F-5EM (FAB 4856 c/n R-1001) foi entregue ao 1º/14º GAv de Caça ‘Esquadrão Pampa’ em uma cerimônia realizada na própria Base Aérea, com a presença do Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro-do-Ar, Luiz Carlos da Silva Bueno, e militares da Força Aérea Brasileira (FAB). O caça F-5EM foi batizado com champanhe Chandon pelo Comandante da Aeronáutica.

Segundo o Comandante Bueno, a principal mudança ocorreu na parte interna da aeronave em que foram retirados todos os mostradores analógicos do painel de controle e substituídos por telas coloridas de cristal líquido de múltiplas funções (MFCD – conceito de glass cockpit). Ele destaca que a modernização do F-5E – que está em operação na FAB desde 1970 – para F-5EM constou ainda na colocação de um radar com alcance médio de 40 quilômetros e capacidade de rastrear e acoplar em alvos de cima para baixo – a capacidade anterior era de 20 km. Outra modificação foi no HUD (Head-up Display), que permite ao piloto acoplar vários alvos ao mesmo tempo. Também foi colocado um radar de aviso de cauda para autodefesa (RWR – Radar Warning Receiver). Antes desta mudança, o caça poderia estar sendo perseguido e o piloto não perceber. Os rádios de comunicações ganharam proteções eletrônicas e a aeronave também está preparada para troca de informações, o chamado Data Link, entre outras aeronaves F-5EM e os R-99 de vigilância.

Toda os novos computadores de bordo foram colocados no nariz da aeronave, que teve um dos canhões “sacrificado”. Antes eram dois canhões de 20mm com 280 tiros. Com a mudança somente o canhão do lado esquerdo será utilizado. Com a amplitude do novo radar, o canhão deverá ter um papel secundário nos combates aéreos, visto muitos dos atuais combates aéreos são travados fora do alcance visual, graças a mísseis de médio e longo alcance.

Uma mudança visível externamente é que o abastecimento da aeronave poderá ser feito no ar, sem necessidade de pouso em uma base da FAB, através do receptáculo de reabastecimento em vôo, que até então somente os F-5E da Base Aérea de Santa Cruz possuiam. A aeronave apresentada estava armada com dois mísseis Python 3, de fabricação israelense e dois mísseis MAA-1 Piranha, de fabricação brasileira.

O comandante da Aeronáutica informou que as bases aéreas de Canoas e Santa Cruz (no Rio de Janeiro) vão receber um total de 46 aeronaves. O investimento na modernização dos F-5E para F-5EM (em função da falta de recursos financeiros para a compra de novos aviões) conta com recursos da própria Aeronáutica no valor de U$S 285 milhões e foi realizado pela Embraer em parceria com a empresa israelense Elbit Systems. O projeto prevê a entrega de 12 caças ainda este ano – oito para a Base de Canoas e quatro para o Rio de Janeiro – 18 em 2006 e 16 em 2007. A vida útil dos F-5E transformados em F-5EM é de 20 anos.

Na ocasião também foi lançado o livro ‘Já te atendo tchê! A História do 1º/14º GAV, o Esquadrão Pampa’, dos autores José Leandro P. Casella e Rudnei Dias da Cunha, que mostram em ricos detalhes toda história do Esquadrão Pampa, que recentemente completou 60 anos de aviação de caça. Um excelente referência bibliográfica para os amantes da aviação militar, especialmente da história da aviação brasileira. O livro tem mais de 300 páginas, 450 fotos, 130 perfis bem detalhados de todas aeronaves que fizeram parte da Base Aérea de Canoas.

As fotos das aeronaves podem ser vistas na Galeria de Imagens do site Aviação Brasil, após em Galeria de Fotos.

FONTE: Aviação Brasil – Fernando Valduga – São Paulo/SP