Entidade de defesa do consumidor critica nova empresa da Varig-TAM

106

Não são apenas os pilotos da Varig que criticaram a proposta da Varig e da TAM de criação de uma nova empresa, apresentada hoje ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). Para a Pro-Teste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor), a aprovação da proposta vai gerar uma concentração no mercado aéreo prejudicial ao consumidor.

“Esta proposta acaba com a concorrência de mercado. E a falta de concorrência impacta no preço da passagem aérea”, disse a coordenadora jurídica da Pro-Teste, Maria Inês Dolci.

Pela proposta apresentada ao Cade, a Varig e a TAM criariam uma nova empresa para administrar o compartilhamento de vôos (code-share), emissão automática de bilhetes, utilização do sistema de atendimento ao usuário e até a definição de políticas tarifárias.

Segundo a Pro-Teste, a nova empresa pode até reduzir custos das duas empresas num primeiro momento, que podem vir a ser repassados para a passagem aérea.

“O problema é que as concorrentes não terão as mesmas vantagens operacionais e serão esmagadas pelos preços da nova empresa [da Varig-TAM]. Sem concorrentes, as empresas poderão praticar no futuro os preços que quiserem”, afirmou Dolci.

Segundo ela, a criação desta nova empresa precisará ser aprovada ainda pelo Cade. “Primeiro vamos monitorar o processo junto ao Cade. Só depois, caso a criação da empresa seja aprovado, é que iremos estudar medidas para proteger o consumidor.”

Para a Apvar (Associação dos Pilotos da Varig), a criação desta nova empresa vai eliminar empregos na Varig e TAM, já uma série de operações serão unificadas, gerando ociosidade de mão-de-obra.

A Varig informou que não vai se pronunciar sobre o assunto. Segundo a empresa, o consultor Luciano Coutinho já disse tudo o que tinha para ser dito após a reunião do Cade. Procurada pela reportagem, a TAM ainda não se manifestou.

FONTE: FABIANA FUTEMA, Folha Online – Fernando Valduga – Porto Alegre/RS