Swiss apresenta resultado positivo pela primeira vez

182

A Swiss International Air Lines aumentou o lucro empresarial (EBIT) do exercício de 2006 para 231 milhões francos suíços (ano anterior: 14 milhões francos suíços negativos). O lucro líqüido consolidado em 2006 foi de 263 milhões de francos suíços. No ano anterior, a SWISS havia registrado perda líqüida de 178 milhões de francos suíços. No quarto trimestre de 2006, obteve lucro empresarial de 32 milhões de francos suíços, quando no ano anterior a perda empresarial ainda havia sido de 38 milhões de francos suíços.

No exercício de 2006, a SWISS aumentou os rendimentos operacionais consolidados em 11,3%, chegando a 4.153 milhões de francos suíços (ano anterior: 3.732 milhões de francos suíços). O lucro empresarial (EBIT) chegou a 231 milhões de francos suíços (ano anterior: 14 milhões de francos suíços negativos). O lucro líqüido para o exercício chegou a 263 milhões de francos suíços (depois de uma perda líqüida de 178 milhões de francos suíços no ano anterior). A SWISS conseguiu manter o crescimento dos rendimentos em relação ao ano anterior também no quarto trimestre. Do rendimento empresarial de 1.098 milhões de francos suíços (trimestre do ano anterior: 998 milhões de francos suíços) resultou um lucro empresarial (EBIT) no quarto trimestre de 2006 de 32 milhões de francos suíços (trimestre do ano anterior: 38 milhões de francos suíços negativos). Diante das circunstâncias conjunturais positivas, a SWISS conseguiu aumentar o faturamento e obter lucro operacional em todos os trimestres de 2006.

“Em 2006, a SWISS conseguiu dar a volta por cima e decolar rumo ao futuro. Progredimos na melhora da nossa base de custos, que, porém, ainda não está plenamente apta a enfrentar a concorrência. As sinergias de custos e rendimentos resultantes da integração ao grupo de aviação Lufthansa contribuíram com metade do lucro operacional. Além disso, as circunstâncias conjunturais positivas também estão contribuindo para nosso sucesso. Voltamos a ter a possibilidade de aproveitar oportunidades de crescimento e de investir em nosso produto. Estamos especialmente felizes em poder criar novas vagas de trabalho. Com o crescimento da frota, teremos aproximadamente 600 novos funcionários trabalhando conosco”, resumiu o presidente Christoph Franz e acrescentou: “Nosso objetivo declarado continua sendo uma margem de lucro empresarial (EBIT) de em média 5-8% sobre o ciclo conjuntural total de vários anos. Ainda estamos bastante distantes de atingir esta meta, mas só então teremos atingido nossa altitude de percurso.”

O bom aproveitamento de espaço dos vôos e as receitas médias um pouco maiores por passageiro-quilômetro resultaram em faturamentos sensivelmente maiores. A SWISS aumentou sua produtividade e conseguiu fechar novos contratos com fornecedores importantes, como, por exemplo, a Swissport – atendimento em terra – no quarto trimestre, na Suíça.

O programa de reestruturação iniciado no começo de 2005 foi concluído com sucesso em 2006. Neste âmbito, novas condições de trabalho foram acordadas com todos os grupos de funcionários. Estes acordos consideram as circunstâncias de maior acirramento da concorrência e dão sua contribuição sólida para um crescimento sustentável. No decorrer de 2006, entraram em vigor novos contratos coletivos de trabalho com os tripulantes da cabine de passageiros e com os pilotos do Airbus.

A reavaliação de entradas contábeis ativas e dívidas, em diversas moedas estrangeiras, resultou em correções monetárias cambiais positivas (lucros contábeis neutros para o caixa) de 30 milhões de francos suíços em 2006 (ano anterior: perdas contábeis no valor de 47 milhões de francos suíços).

No quarto trimestre de 2006, os preços de combustível sofreram uma leve redução pela primeira vez em vários anos. A evolução futura, porém, continua incerta. No exercício de 2006, os preços do combustível resultaram em custos adicionais em relação ao ano anterior no valor de 122 milhões de francos suíços. Devido à concorrência acirrada, os mesmos puderam ser só parcialmente repassados aos preços das passagens por meio de adicionais de combustível.

Em 31 de dezembro de 2006, a SWISS dispunha de 922 milhões de francos suíços de meios líquidos (final de 2005: 558 milhões de francos suíços). A evolução positiva do fluxo de caixa operacional possibilitou a quitação de dívidas pendentes. No âmbito das linhas de crédito disponíveis, em 31 de dezembro de 2006a SWISS dispunha de meios líqüidos adicionais no valor de 298 milhões de francos suíços.

Em 2006, a SWISS comercializou a oferta de espaço adicional (mais 5,7% em assentos-quilômetros oferecidos) no mercado e aumentou o fator de aproveitamento de assentos (SLF) dos seus vôos em 1,7 pontos percentuais em relação ao ano anterior. Nas rotas intercontinentais, a SWISS estabilizou o SLF em 83,8% (ano anterior: 84,0%). Na Europa, o fator de aproveitamento de assentos aumentou sensíveis 5,4 pontos percentuais, chegando a 71,3%. No transporte de linha, 10,5 milhões de passageiros viajaram SWISS (9,9% a mais do que no ano anterior). No quarto trimestre de 2006, a SWISS chegou a um SLF de 79,6% (4,3 pontos percentuais a mais). Os negócios de carga aérea, geridos pela Swiss WorldCargo manteve-se estável em 2006. O fator de aproveitamento de espaço de carga (volume) chegou a 85,5% (ano anterior: 86,5%).

Em 2006, a média do número de funcionários ficou em 5.532 (horário integral), mais uma vez abaixo da do ano anterior. No quarto trimestre de 2006, a média do número de funcionários deixou de diminuir devido a várias novas contratações de tripulantes. Em 31 de dezembro de 2006, o número de vagas de horário integral somava 5.338 (final de 2005: 6.094). Em final de 2006, estas vagas de horário integral eram ocupadas por 6.441 funcionários.

No decorrer do ano passado, a SWISS passou a registrar um crescimento voltado para a demanda. No quarto trimestre, dois aviões de longa distãncia Airbus A330 adicionais e mais um Airbus Europa modelo A320 passaram a operar regularmente.

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP