Delta lucra US$ 5,9 bilhões em 2015 | Portal Aviação Brasil
Finanças

Delta lucra US$ 5,9 bilhões em 2015

Delta lucra US$ 5,9 bilhões em 2015

A Delta Air Lines anunciou hoje seus resultados financeiros para o trimestre finalizado em dezembro de 2015, incluindo o lucro bruto ajustado de US$ 1,45 bilhão, um aumento de US$ 430 milhões em comparação com o mesmo período do ano anterior. O lucro líquido ajustado foi de US$ 926 milhões ou US$ 1,18 por ação diluída, valor 51% maior do que o do trimestre encerrado em dezembro de 2014.

“Nosso desempenho em 2015 foi um recorde para a Delta em todos os setores, com desempenho operacional líder na indústria, alto nível de satisfação do cliente e um lucro bruto ajustado de US$ 5,9 bilhões. Estes resultados mostram o compromisso dos funcionários da Delta em operarem a melhor companhia aérea do mundo todos os dias. É uma honra recompensá-los por seu desempenho com US$ 1,5 bilhão em participação nos lucros para o ano”, disse Richard Anderson, CEO da Delta. “Quando olhamos para 2016, temos uma oportunidade significativa para melhorar ainda mais o nosso desempenho. Com mais de US$ 3 bilhões em economias potenciais por conta dos preços de combustível mais baixos e diversas iniciativas comerciais, operacionais e de custos já existentes, estamos em uma posição única entre as empresas do índice S&P Industrials para aumentar os lucros, margens e fluxos de caixa neste ano, apesar dos desafios econômicos globais. ”

A receita operacional da Delta para o quarto trimestre diminuiu 2% ou US$ 145 milhões, por conta dos US$ 160 milhões em pressões sofridas por moedas estrangeiras. A receita unitária por passageiro caiu 1,6%, o que inclui aproximadamente 2 pontos do impacto de moedas estrangeiras.

“O sucesso das ações em nossa rede e iniciativas comerciais em 2015 permitiu que aumentássemos nosso limite superior e nossa receita unitária premium à indústria, ao mesmo tempo que superamos quase US$ 700 milhões em pressões sofridas por moedas estrangeiras”, disse Ed Bastian, presidente da Delta. “Olhando para o futuro, o ambiente geral de demanda permanece sólido. A amplitude da dimensão de nossa rede permite que concentremos nossos esforços comerciais sobre as áreas da empresa com melhores oportunidades, como o mercado doméstico, enquanto reduzimos a nossa exposição em algumas regiões internacionais mais fracas. Enquanto esperamos que a instabilidade internacional e as pressões de moedas estrangeiras resultem em quedas de receitas unitárias de 2,5% a 4,5% no segundo trimestre, devemos ver mais de 10 pontos de melhoria da margem por conta da nossa capacidade de disciplina diante de um declínio de mais de 50% nos preços dos combustíveis.”

As despesas ajustadas com combustível2 sofreram uma queda de US$ 726 milhões em comparação ao mesmo período em 2014, com os preços de combustível do mercado menores em 40%. No trimestre, a refinaria produziu um lucro de US$ 8 milhões. As perdas de hedge liquidadas foram de US$ 336 milhões, incluindo US$ 60 milhões em acordos de hedges prévios.

O CASM-Ex3 sofreu um aumento de 1,9% para o quarto trimestre na comparação com o mesmo período do ano anterior, com reflexo do câmbio e os benefícios do setor doméstico da Delta e outras iniciativas de custo, os quais foram compensados pelos investimentos da empresa em seus funcionários, produtos e operações.

A iniciativa de redução de dívida da Delta continuou a melhorar as despesas com juros da empresa, produzindo US$ 35 milhões em economias de juros para esse trimestre, comparado ao mesmo período em 2014.
A despesa não-operacional inclui um prejuízo de US$ 75 milhões por liquidações de participações em dinheiro da Delta na Venezuela.

“A disciplina de custos rigorosa é uma parte fundamental da cultura da Delta, o que foi comprovado pela nossa capacidade de manter os mesmos custos unitários em 2015, excluindo combustível, enquanto investimos significativamente em nossos funcionários, produtos e serviços”, disse Paul Jacobson, diretor financeiro da Delta. “Nosso primeiro trimestre de 2016 sofrerá uma maior pressão de custos unitários, excluindo combustível, e esperamos que o desempenho melhore ao longo do ano à medida que cobrimos os aumentos salariais dos funcionários do ano passado.”

A Delta gerou US$ 1,4 bilhão de fluxo de caixa operacional ajustado e US$ 300 milhões de fluxo livre de caixa durante o trimestre. A empresa utilizou esta forte geração de caixa para reinvestir cerca de US$ 1,1 bilhão de volta na operação, incluindo US$ 900 milhões na aquisição de aeronaves, modificações na frota e seis pares de slot (horários de pousos e decolagens) no aeroporto de Heathrow.

Para o ano de 2015, a empresa retornou US$ 2,6 bilhões a seus proprietários, composto de US$ 360 milhões de dividendos e US$ 2,2 bilhões em recompra de ações. Para o ano, a empresa recomprou 48 milhões de ações a um preço médio de US$ 45,50 por ação.

A dívida líquida ajustada no final do trimestre encontrou-se em US$ 6,7 bilhões, uma redução de mais de US$ 10 bilhões desde que a Delta começou a sua estratégia de melhoria do balanço em 2009.

Finanças

More in Finanças

Comissão aprova projeto para coibir abuso na remarcação de passagem aérea

Aviação Brasil (Redação)20 de dezembro de 2016

Empresa de Warren Buffett realiza grande investimento na Delta

Aviação Brasil (Redação)21 de novembro de 2016

Avianca Brasil em busca de um novo sócio?

Aviação Brasil (Redação)29 de setembro de 2016

Qatar Airways firma acordo com a Latam para adquirir até 10% da holding

Aviação Brasil (Redação)12 de julho de 2016

Copyright © 2016 Aviação Brasil - AB Portais e Serviços em Tecnologia da Informação - (11) 2594-9806