Voando mais alto | Portal Aviação Brasil
Aeroportos (Noticias)

Voando mais alto

Voando mais alto

sbgr_tma1_002

Em dezembro, foi anunciado o pacote para desenvolvimento dos aeroportos, dentro do programa de investimentos em logística do governo federal, tendo sido apresentados os seus principais objetivos. Dentre estes, destacam-se:

– melhorar a qualidade dos serviços e a infraestrutura aeroportuária para os usuários;
– reconstruir a rede de aviação regional;
– ampliar a oferta de transporte aéreo à população brasileira.

O primeiro ponto a se destacar no pacote é a segunda rodada de concessões de aeroportos, na qual serão incluídos Confins e Galeão. Muito embora a licitação desses aeroportos esteja em linha com as concessões anteriores (Guarulhos, Brasília e Viracopos), os novos leilões trarão maiores restrições para os candidatos a operadores, requerendo-se, por exemplo, experiência na operação em aeroportos com movimentação mínima de 35 milhões de passageiros por ano; e uma participação mínima de 25% no consórcio licitante.

Sobre o fortalecimento da aviação regional, importante mencionar que o Governo Federal editou a Medida Provisória nº 600/2012, atribuindo competência ao Banco do Brasil para gerir e administrar os recursos do Fundo Nacional de Aviação Civil (FNAC), criado pela Lei 12.462/2011. No entanto, a operacionalização destas disposições ainda carece de regulamentação, não estando claro o modo através do qual o mencionado banco realizará as funções que lhe foram atribuídas, tampouco a forma de articulação com os Estados e Municípios afetados.

O pacote prevê, ainda, a possibilidade de exploração comercial de aeroportos outorgados mediante autorização, como mais um mecanismo de dinamização e fomento da aviação regional. Sobre essa medida, foi publicado em 21/12/2012, o Decreto nº 7.871/2012, regulamentando o Código Brasileiro de Aeronáutica (Lei nº 7.565/1986) e trazendo as condições de delegação da exploração de aeródromos civis públicos por meio de autorização. Estes aeródromos são, segundo o decreto, “todas as áreas destinadas a pouso, decolagem e movimentação de aeronaves civis, destinados exclusivamente ao processamento de operações de serviços aéreos privados, de serviços aéreos especializados e de taxi aéreo”. Os operadores destes aeroportos serão remunerados por meio de tarifa, a qual poderá, a princípio, ser livremente estabelecida, patrocinando a competição no setor.

As medidas aqui descritas ainda aguarda regulamentação para se tornarem realidade. No entanto, já há muito que comemorar, sendo que o passo mais relevante, a nosso ver, é uma maior participação dos investimentos privados na promoção e desenvolvimento de um setor carente de recursos. Espera-se a multiplicação de investimentos não só em grandes aeroportos, mas também nos de menor porte, propiciando um potencial desafogamento da infraestrutura aeroportuária.

Fonte: Rosane Menezes Lohbauer e Rodrigo Machado Santos (Madrona Hong Mazzuco Brandão – Sociedade de Advogados)

Aeroportos (Noticias)

More in Aeroportos (Noticias)

O potencial dos aeroportos leiloados de Fortaleza, Salvador, Florianópolis e Porto Alegre

Aviação Brasil (Redação)22 de março de 2017

Aeroporto de São Luís ganha nova sala de embarque

Aviação Brasil (Redação)22 de março de 2017

Aeroporto Internacional de Belém

Aviação Brasil (Redação)17 de março de 2017

Aeroporto Internacional de Navegantes/Vitor Konder

Aviação Brasil (Redação)9 de março de 2017

Copyright © 2016 Aviação Brasil - AB Portais e Serviços em Tecnologia da Informação - (11) 2594-9806