Voando mais alto | Portal Aviação Brasil
Aeroportos (Noticias)

Voando mais alto

Voando mais alto

sbgr_tma1_002

Em dezembro, foi anunciado o pacote para desenvolvimento dos aeroportos, dentro do programa de investimentos em logística do governo federal, tendo sido apresentados os seus principais objetivos. Dentre estes, destacam-se:

– melhorar a qualidade dos serviços e a infraestrutura aeroportuária para os usuários;
– reconstruir a rede de aviação regional;
– ampliar a oferta de transporte aéreo à população brasileira.

O primeiro ponto a se destacar no pacote é a segunda rodada de concessões de aeroportos, na qual serão incluídos Confins e Galeão. Muito embora a licitação desses aeroportos esteja em linha com as concessões anteriores (Guarulhos, Brasília e Viracopos), os novos leilões trarão maiores restrições para os candidatos a operadores, requerendo-se, por exemplo, experiência na operação em aeroportos com movimentação mínima de 35 milhões de passageiros por ano; e uma participação mínima de 25% no consórcio licitante.

Sobre o fortalecimento da aviação regional, importante mencionar que o Governo Federal editou a Medida Provisória nº 600/2012, atribuindo competência ao Banco do Brasil para gerir e administrar os recursos do Fundo Nacional de Aviação Civil (FNAC), criado pela Lei 12.462/2011. No entanto, a operacionalização destas disposições ainda carece de regulamentação, não estando claro o modo através do qual o mencionado banco realizará as funções que lhe foram atribuídas, tampouco a forma de articulação com os Estados e Municípios afetados.

O pacote prevê, ainda, a possibilidade de exploração comercial de aeroportos outorgados mediante autorização, como mais um mecanismo de dinamização e fomento da aviação regional. Sobre essa medida, foi publicado em 21/12/2012, o Decreto nº 7.871/2012, regulamentando o Código Brasileiro de Aeronáutica (Lei nº 7.565/1986) e trazendo as condições de delegação da exploração de aeródromos civis públicos por meio de autorização. Estes aeródromos são, segundo o decreto, “todas as áreas destinadas a pouso, decolagem e movimentação de aeronaves civis, destinados exclusivamente ao processamento de operações de serviços aéreos privados, de serviços aéreos especializados e de taxi aéreo”. Os operadores destes aeroportos serão remunerados por meio de tarifa, a qual poderá, a princípio, ser livremente estabelecida, patrocinando a competição no setor.

As medidas aqui descritas ainda aguarda regulamentação para se tornarem realidade. No entanto, já há muito que comemorar, sendo que o passo mais relevante, a nosso ver, é uma maior participação dos investimentos privados na promoção e desenvolvimento de um setor carente de recursos. Espera-se a multiplicação de investimentos não só em grandes aeroportos, mas também nos de menor porte, propiciando um potencial desafogamento da infraestrutura aeroportuária.

Fonte: Rosane Menezes Lohbauer e Rodrigo Machado Santos (Madrona Hong Mazzuco Brandão – Sociedade de Advogados)

Aeroportos (Noticias)

More in Aeroportos (Noticias)

Raízen inicia operações de abastecimento no Aeroporto de Canela

Aviação Brasil (Redação)20 de dezembro de 2016

Linktel amplia rede Wi-Fi criptografada para os turistas nos aeroportos brasileiros

Aviação Brasil (Redação)14 de dezembro de 2016

Azul e Gol mudam para o Terminal 2 do Rio – Galeão

Aviação Brasil (Redação)23 de novembro de 2016

US Preclearance no Rio, agora depende do Governo Brasileiro!!

Aviação Brasil (Redação)6 de novembro de 2016

Copyright © 2016 Aviação Brasil - AB Portais e Serviços em Tecnologia da Informação - (11) 2594-9806