Atech apresenta softwares para gerenciamento do tráfego aéreo na LAAD 2005

234

A próxima edição da LAAD 2005 – Latin American Aero & Defense, que acontece de 26 a 29 de abril no Rio Centro, reunirá o que há de mais avançado em sistemas na área de defesa e aeroespaço. A brasileira Atech Tecnologias Críticas é um dos destaques entre os expositores. Responsável pelo sistema que controla mais de 90% dos vôos em território nacional, a empresa apresentará na feira mais soluções para o setor.

A Atech está entre as dez do mundo a desenvolver sistemas de controle e defesa do espaço aéreo, cujo know-how conquistou pela primeira vez na história do Brasil um contrato de exportação de tecnologia para a Venezuela.

Na LAAD, soluções como o CPDLC (Controller Pilot Data Link Communication) e o ADS (Automatic Dependent Surveillance) serão apresentados. Ambos são aplicativos avançados para o controle de tráfego aéreo do futuro, mas já estão em operação no Centro de Controle de Recife gerenciando vôos transoceânicos. Neste sistema, as ferramentas substituem a comunicação oral entre o piloto e o controlador por mensagens digitais.

O ASMACS (Air Space Management and Control System) é outra solução que poderá ser conhecida na LAAD. Desenvolvido tanto para o mercado civil como o militar, o software — que também integra funcionalidades no CPDLC e do ADS — foi projetado para suportar e automatizar procedimentos de controle e de coordenação do tráfego aéreo e de operações aéreas militares. Entre suas várias funções, o sistema trata as informações multi-radar em tempo real, processa o plano de vôo e emite alerta ao detectar conflitos durante o trajeto.

Na feira, a Atech também apresentará o ISIMS (Intelligent Surveillance & Investigation Management Suíte) – “Sistema de Vigilância Inteligente para Grandes Áreas”. Trata-se de uma solução avançada que utiliza técnicas de inteligência artificial e permite a identificação e a classificação de atividades ilegais . O ISIMS é utilizado em ações como monitoramento e controle de fronteiras, acompanhamento de alvos móveis aéreos e terrestres, áreas de mineração ilegais, prática irregular de desmatamento e até de doenças endêmicas e epidêmicas. Além disso, o sistema pode ser utilizado na vigilância dos grandes centros e na proteção de áreas ambientais.

FONTE: Aviação Brasil / Atech – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP