Atentado em Madri terá pequeno impacto para Varig e TAM

161

As empresas aéreas brasileiras que fazem vôos internacionais descartaram na sexta-feira impactos decorrentes da tragédia ocorrida em Madri, em que quase 200 pessoas morreram em ataques a bomba. Analistas avaliam, no entanto, que algum impacto será inevitável.

Ao contrário do ocorrido em 11 de setembro de 2001, quando aviões foram utilizados para os ataques, a retração dos passageiros deverá se dar em menor escala após as explosões de quinta-feira em Madri.

Seguindo o movimento das companhias aéreas internacionais depois do atentado de Madri, as ações da Varig caíam 2,75% no início da tarde, enquanto a Bovespa subia 3,4%.

“Apesar da pouca liquidez, as ações da Varig estão refletindo essa percepção de que algo mudou no cenário que se mostrava um pouco mais otimista este ano”, avaliou o analista da corretora Pentagono Marcelo Ribeiro.

Depois de 2003 ter apresentado queda praticamente o ano todo – com exceção dos meses de março e outubro -, o transporte internacional de passageiros registrou em fevereiro alta de 1,9% em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando havia caído 4,5%.

Segundo Ribeiro, muitos brasileiros estavam desviando a rota das férias para a Europa por questão de segurança em relação aos Estados Unidos, o que agora se mostrou ineficaz.

“O medo é que provavelmente a Europa passe a fazer as mesmas restrições para entrada do que os EUA, o que vai afetar os vôos da Varig e da TAM”, afirmou Ribeiro.

A TAM voa apenas para Paris e Miami, nos Estados Unidos, enquanto a Varig tem na Europa o seu principal destino internacional, que por sua vez é responsável por 58 por cento do faturamento da companhia.

Segundo o diretor comercial da Varig, Alberto Fajerman, se o atentado não se mostrar um fato isolado o mundo voltará à depressão pós 11 de setembro.

“Claro que o terrorismo assusta um pouco o passageiro, mas a sensação que eu tenho é de que isso foi um fato isolado e vai se esgotar por si mesmo, se isso não acontecer vai ser um desastre mundial”, disse Fajerman à Reuters.

A Varig, assim como a TAM, não cancelaram vôos e nem verificaram retração nas vendas por causa dos atentados, informaram as assessorias de imprensa das duas companhias.

Para Flávio Andrade, especialista em setor aéreo da consultoria OWS Corporation, localizada em Miami, o quadro para o setor aéreo é bem diferente daquele de 11 de setembro, por não terem sido utilizados aviões nos atentados. Mas para o turismo de maneira geral, que ainda não havia se recuperado do atentado ao World Trade Center, Madri foi um sinal de que era cedo para comemorar.

“É mais complicado para o turismo de trem na Europa, que vai precisar adotar segurança igual aconteceu depois do 11 de setembro nos aviões e vai ficar mais caro”, avaliou.

“Mas para o setor aéreo o impacto será mais brando e é possível que aumente a opção por avião dentro da Europa, por questão de segurança”, previu, lembrando os bilhões de dólares investidos em segurança pelas companhias aéreas e aeroportos após o atentado aos Estados Unidos.

FONTE: Reuters Investor – Fernando Valduga – Porto Alegre/RS