Boeing ajusta programa de produção do 747-8 e seu cronograma de entregas

109

O novo cronograma é baseado na produção e nos vôos-testes desenvolvidos em conjunto com os fornecedores da companhia que provem um tempo adicional para ajustes das questões que atrasaram o andamento do programa. Essas edições incluem atrasos na rede de fornecedores, dado algumas mudanças no projeto do avião, limitação dos recursos de engenharia disponíveis dentro de Boeing e a recente greve dos maquinistas – funcionários especializados na montagem dos aviões – que parou a produção nas fábricas da companhia.

A entrega do primeiro 747-8 Cargueiro será alterada do final de 2009 para o terceiro quadrimestre de 2010. A entrega do primeiro jato de passageiros 747-8 Intercontinental passou do final de 2010 para o segundo quadrimestre de 2011.

“Nossa equipe inteira tem trabalhado duro para abrandar o risco crescente das mudanças desse cronograma, mas foi incapaz de superar o impacto coletivo do aumento de trabalho sofrido pelo projeto original, de uma fonte enxuta dos recursos de engenharia e da recente greve dos funcionários”, disse o presidente da Boeing Commercial Airplanes e CEO Scott Carson. “Nós estamos claramente decepcionados pelo que essa mudança na programação significa para nossos clientes, empregados, fornecedores e outras partes interessadas. Entretanto, é uma decisão apropriada e prudente para assegurar que o programa saia bem sucedido, e nós estamos comprometidos a trabalhar com nossos clientes para abrandar qualquer interrupção que os causar.”

Esta programação revisada é resultado de uma avaliação detalhada do sistema de produção e dos planos de vôo-teste, iniciados em agosto, e já computa o impacto da recente greve.

“O trabalho restante no programa 747-8 é bem definido”, diz Ross R. Bogue, vice-presidente e diretor geral do Programa 747 e da Unidade de Everett. “Este ajuste na programação nos dá o tempo que necessitávamos para terminar esse trabalho e introduzir no mercado, com sucesso, ambos os aviões para nossos clientes”, conclui.

O risco do ajuste da programação foi previamente identificado e foi provisionado nos resultados financeiros do terceiro quadrimestre da Boeing. A companhia fornecerá orientação atualizada a cerca das questões financeiras, inclusive com uma avaliação pós-greve para todos seus programas de aviões comerciais que possam enfrentar atrasos.

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP