Boeing prevê forte crescimento no tráfego aéreo de carga

272

A Boeing afirma que o crescimento do mercado mundial de carga aérea será de 6% ao ano, durante os próximos 20 anos e a frota de cargueiros triplicará nesse período.

Essa informação está no relatório Previsão da Boeing para o Mercado de Carga Aérea Mundial 2006/2007 (World Air Cargo Forecast 2006/2007), divulgado hoje na Exposição e Fórum Internacional de Carga Aérea 2006 (International Air Cargo Forum and Exposition 2006). A Boeing publicou a Previsão de Carga Aérea Mundial (World Air Cargo Forecast), reconhecido como o melhor instrumento de previsão do crescimento do tráfego de carga aérea e da demanda por aeronaves, desde 1986. O novo relatório está disponível no link: http://www.boeing.com/commercial/cargo.

“Mercados de carga aérea ligados à Ásia continuarão a liderar os outros mercados até 2025, devido ao mais alto crescimento do tráfego doméstico na China e dentro do continente”, disse Nicole Piasecki, vice presidente de Marketing e Estratégia de Negócios da Divisão de Aviões Comerciais da Boeing. “O crescimento do tráfego de carga aérea internacional será levado pelo aumento do comércio internacional, da liberalização dos serviços aéreos e da melhoria das tecnologias que nossa indústria continua incorporando: aumento de capacidade e maior eficiência no consumo de combustível. A liberalização de carga é o que move o crescimento econômico”.

A Boeing espera que o crescimento do mercado asiático de carga aérea irá superar as expectativas da previsão de dois anos atrás, com o mercado doméstico chinês e o mercado interno asiático crescendo 10,8% e 8,6% por ano, respectivamente.

Além disso, o intercâmbio entre Ásia e América do Norte deve crescer, em média, 7% e o entre a Ásia e a Europa, 6,9%. Os mercados mais maduros, como América do Norte e dentro da Europa, irão crescer menos que a média mundial, assim como as rotas envolvendo América Latina e Oriente Médio. As rotas entre Europa e Sudoeste da Ásia irão experimentar um crescimento pouco maior que a média, de 6,2%.

“Apesar do crescimento do tráfego em 2005 ter sido modesto, pela alta dos combustíveis, a previsão de longo prazo é que as tendências históricas prevaleçam”, disse Tom Crabtree, diretor regional de Marketing da Divisão de Aviões Comerciais da Boeing, e principal autor do relatório. “Em 2005, o combustível teve um aumento de 42%. Esse alta de preços continuou em 2006, mas o tráfego continua a crescer, com um aumento de 3,1% no primeiro semestre de 2006, em relação ao primeiro semestre de 2005”.

No geral, a Boeing prevê que a frota mundial de cargueiros irá aumentar até 3.563 aviões, com o maior crescimento para cargueiros de fuselagem larga, como os Boeing 747, 777 e 767. Essa categoria irá representar 64% da frota, comparada aos 50% que representa hoje, até chegar, eventualmente, a constituir mais de 90% de toda a capacidade de carga aérea.

Dos 2.983 novos cargueiros que serão somados à frota, 1.209 seriam reposições de aviões aposentados e 1.774 seriam pelo crescimento da demanda. Mais de 75%, 2.217 aviões, serão combinados de passageiros e carga, enquanto que 766 serão cargueiros novos.

Crabtree também afirmou que a Boeing oferece a maior linha de soluções de carga para todos os tipos de demanda do mercado. A Boeing é a única fabricante que oferece uma linha completa de novos cargueiros para cobrir todo o mercado. Os aviões de carga da Boeing têm menor custo de viagem por milha e tonelada em qualquer tamanho. Por exemplo, o novo cargueiro 777 permite que operadoras levem até 229 mil libras de payload com o menor custo de viagem de qualquer cargueiro de larga escala. Além disso, a Boeing também oferece uma gama de combinações e conversões de passageiros e carga, para qualquer tipo de demanda.

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP

Publicidade