Embraer assina contrato de expansão de frota com a Executive AirShare

255

A Embraer assinou contrato com a Executive AirShare para a expansão da frota desta empresa em três jatos Phenom 100 e dois Phenom 300, com opções para outros três Phenom 100 e dois Phenom 300. No último mês de maio, a empresa norte-americana de propriedade fracionada (copropriedade) de aeronaves com sede em Kansas City encomendou sete jatos Phenom 100, mais sete opções para aeronaves do mesmo modelo.

O valor do novo contrato totaliza US$ 22,24 milhões, podendo duplicar caso todas as opções sejam exercidas.

“Sentimo-nos honrados com mais este pedido da Executive AirShare, que entendemos como o reconhecimento de que o jatos Phenom são a escolha ideal para os negócios da empresa”, disse Luís Carlos Affonso, Vice-Presidente Executivo da Embraer para o Mercado de Aviação Executiva. “Estamos confiantes em que o conforto, estilo e capacitação dos Phenom 100 e Phenom 300 serão muito apreciados pelos clientes e passageiros da Executive AirShare.”

Com o novo pedido, a operadora dos Estados Unidos reforça a confiança nos jatos Phenom e passará a operar tanto os jatos Phenom 100, como os Phenom 300. A primeira entrega do Phenom 100 está prevista para o terceiro trimestre de 2010 e a do Phenom 300 para o segundo trimestre de 2011.

“O Phenom 100 é a maior e mais capacitada aeronave da categoria very light jet, ao passo que o Phenom 300 tem o maior alcance e transporta a maior carga-paga da sua classe”, disse Robert D. Taylor, Presidente e CEO da Executive AirShare. “Nossos proprietários gostarão do alcance, da velocidade, do conforto e da capacidade de bagageiro de ambas as aeronaves.”

Os jatos Phenom se ajustarão bem ao conceito de propriedade fracionada da Executive AirShare, pelo qual os proprietários de aeronaves compartilhadas têm acesso a seus aviões por um determinado número de dias por ano, ao invés de um número limitado de horas de vôo por ano. Além disso, os clientes da Executive AirShare têm o direito ao uso do avião por um dia inteiro, ao contrário do modelo de propriedade fracionada tradicional, que leva vários clientes para localidades diferentes, no mesmo dia, com a mesma aeronave.

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP

Publicidade