Embraer assina contratos com o Exército e com a Marinha da Tailândia

143

A Embraer assinou contratos com o Royal Thai Army (Exército Tailandês) e a Royal Thai Navy (Marinha Tailandesa) para a venda de dois jatos ERJ 135, versão Long Range (LR). Os acordos incluem ainda um expressivo pacote logístico, refletindo a expansão do segmento de Mercado de Defesa e Governo da Embraer na região da Ásia Pacífico.

Os novos jatos ERJ 135 serão utilizados para transporte governamental pelo Exército e pela Marinha tailandeses, bem como em missões de evacuação aeromédica (Medical Evacuation – MEDEVAC) pela Marinha.

“O ERJ 135 é uma aeronave com qualidade e desempenho excepcionais comprovados”, ressaltou Luiz Carlos Aguiar, Vice-Presidente Executivo da Embraer para o Mercado de Defesa e Governo. “A escolha do Exército e da Marinha da Tailândia mostra, mais uma vez, o sucesso deste produto, que oferece ao cliente militar uma combinação de eficiência e baixo custo operacional”.

O ERJ 135 é um jato da bem-sucedida família ERJ 145, que acumula mais de mil unidades entregues e 12 milhões de horas voadas. No Mercado de Defesa e Governo, esta plataforma tem cumprido com eficiência missões de transporte governamental e evacuação aeromédica em países como Bélgica, Grécia, Índia e Nigéria, além do Brasil. Devido à enorme comunalidade com os jatos ERJ 145, o ERJ 135 permite que uma única unidade aérea consiga suprir as mais variadas gamas de missão.

Em virtude das origens e história de sucesso como avião comercial, o jato ERJ 135 oferece ao cliente militar uma combinação de equipamentos modernos, redundância avançada de sistemas e baixo custo de manutenção, além de um alto grau de prontidão. O sucesso da família de jatos ERJ 145 no competitivo mercado da aviação comercial regional é marcado pelo constante aumento de eficiência e redução de custos, obtidos por meio de menor freqüência de inspeções e menor tempo de permanência em solo. Estas características permitem às aeronaves militares Embraer baseadas na plataforma ERJ 145 voar mais de três mil horas por ano.

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP

Publicidade