Emirates testa alta tecnologia em bagagem

194

A Emirates associou-se a três aeroportos internacionais – Heathrow, de Londres, o de Dubai e o de Hong Kong – para testar a mais avançada tecnologia de manuseio de bagagem. Trata-se do sistema RFID – iniciais em inglês para identificação de rádio-freqüência -, que deverá apresentar maior eficiência e benefícios operacionais, em comparação ao atual sistema de identificação por código de barras. Este será o maior teste do gênero na indústria do transporte aéreo, envolvendo cerca de meio milhão de malas de vôos da Emirates durante os seis meses de duração.

A Emirates está investindo US$ 500 mil no projeto, confiante de que ajudará a revolucionar o modo pelo qual as bagagens são monitoradas e rastreadas. Também espera que o novo sistema apresente soluções inovadoras para o manuseio do número crescente de bagagem, à medida que mais pessoas em todo o mundo passam a utilizar o transporte aéreo com freqüência. Quando os 58 Airbus A380 de dois andares começarem a operar na frota da Emirates, a empresa estará atendendo o dobro de bagagens, o que acarreta o desafio de melhorar o manuseio e manter a confiança dos passageiros.

Dale Griffith, Sênior Vice Presidente de Serviços de Aeroportos, comenta: “Vamos compartilhar os resultados desse teste com a IATA. Se for bem sucedido, como esperamos, a Emirates vai estimular todos os aeroportos, em sua malha de rotas, a adotar esta tecnologia. Isso pode se transformar num novo padrão para a indústria, em manuseio de bagagem”.

Durante o teste nos três aeroportos, funcionários da Emirates especialmente treinados aplicarão etiquetas às bagagens, no check in, contendo chips do sistema RFID. Os chips possuem um número exclusivo de identificação, além da rota do passageiro. Em paralelo, as etiquetas continuarão a apresentar o código de barras tradicional.

Por ocasião do embarque, os chips são lidos quando passam pelo sistema de bagagem do aeroporto, permitindo sua distribuição efetiva, escaneamento de segurança e encaminhamento correto para o avião. No desembarque, as malas são lidas à entrada do sistema de bagagem e recebidas para um eficiente rastreamento. Os chips permitem o rastreamento em qualquer etapa da viagem, minimizando as possibilidades de extravio . No futuro, a tecnologia RFID dará condição às empresas aéreas para enviarem uma mensagem de texto aos passageiros, avisando quando a bagagem chega à esteira de entrega.

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – Sâo Paulo/SP