Mudanças na administração e na liderança da EADS

117

Os acionistas da EADS decidiram juntamente com a equipe de gerenciamento da empresa modificar a atual estrutura de gerenciamento e liderança da companhia. A mudança foi guiada por princípios de eficiência, de coesão e simplificação da estrutura de gerenciamento e liderança da EADS, no que diz respeito às melhores práticas de governança e respeito ao equilíbrio entre os acionistas franceses e alemães. O governo alemão também foi consultado.

Sob a estrutura simplificada de gerenciamento, a EADS será guiada por um único Presidente do Conselho e um único CEO.

Rüdiger Grube assumirá a posição de único presidente do conselho de administração da EADS. Nesse cargo, ele será responsável por supervisionar o desenvolvimento estratégico do Grupo e por negociar com os seus acionistas. Ele assumirá a liderança do recém-criado comitê estratégico da EADS.

Louis Gallois assumirá o cargo de CEO único da EADS. Nessa posição, ele será responsável por liderar a equipe de gerenciamento na execução da estratégia do Grupo e de gerenciar a interação da empresa com seus acionistas públicos.

Thomas Enders assumirá o cargo de CEO da Airbus na sede da empresa em Toulouse, se reportando ao CEO da EADS. Ele contará com o apoio de Fabrice Brégier, COO da Airbus.

Os acionistas também concluíram que o melhor para o Grupo é aumentar o número de membros independentes no conselho de administração de modo que reflita de forma apropriada o perfil global da EADS de acordo com as melhores práticas internacionais de governança corporativa.

Como parte desta proposta, a DaimlerChrysler e a holding estatal francesa Sogeade cederão, cada uma, duas cadeiras no conselho de administração. O conselho sugerirá na próxima reunião de acionistas a eleição de quatro diretores independentes, que irão se juntar ao presidente, ao CEO, a dois representantes da DaimlerChrysler, dois da Sogeade e um da SEPI no futuro conselho de administração da EADS. Além do CEO, o conselho não contará mais com diretores executivos.

A EADS e seus acionistas acreditam que a reestruturação do conselho permitirá uma relação de trabalho próxima entre os membros atuais da diretoria e os novos, que trarão ao Grupo benefícios adicionais como experiência e perspectivas independentes para assumir suas responsabilidades. O CEO da EADS e seu comitê executivo terão mais independência no gerenciamento diário da empresa: a decisão sobre investimentos abaixo de € 350 milhões será de sua responsabilidade exclusiva, bem como a nomeação de equipes de gerenciamento das principais subsidiárias da EADS e de suas unidades de negócios, salvo o cargo de CEO da Airbus e o comitê executivo da EADS, cujas nomeações serão decididas pelo CEO da EADS e pelo presidente e os membros do Conselho de Administração da EADS.

As decisões do conselho de administração serão tomadas por maioria simples, salvo nos casos de uma reservada lista de assuntos (incluindo nomeação de presidente do conselho, do CEO da EADS e do CEO da Airbus, além de decisões sobre as principais estratégias ou grandes investimentos), para os quais serão requisitadas aprovações dos diretores da Sogeade e da DaimlerChrysler.

As indicações de gerenciamento na EADS irão seguir os princípios de “o melhor homem para o trabalho” enquanto ao mesmo tempo procurarão manter o equilíbrio e a diversidade do Grupo, consistente com sua herança e com os acionistas fundadores.

Essas modificações reforçarão a eficiência do grupo e contribuirão para fortalecer sua posição como líder global no mercado aeronáutico e de defesa. Elas serão totalmente implementadas e se tornarão efetivas a partir da reunião geral dos acionistas da EADS que acontecerá durante o quarto trimestre de 2007.

Desde sua formação em 2000, a EADS tem sido um símbolo de sucesso da cooperação industrial européia em um dos mercados mais competitivos do mundo. Nos últimos sete anos, a estrutura de gerenciamento dupla com dois co-presidentes do conselho e dois co-CEOs forneceu o equilibro necessário e a estabilidade exigida para uma empresa com uma herança industrial única. Permitiu ao grupo alcançar excelentes resultados e superar os principais desafios tecnológicos que são um aspecto inerente ao progresso e à inovação. Entretanto, os acionistas e a liderança da EADS concluíram que uma estrutura de gerenciamento simplificada é agora o mais apropriado para fornecer a necessária liderança unificada para a próxima fase de desenvolvimento do Grupo.

Os acionistas industriais da EADS, DaimlerChrysler e Lagardère, e os governos francês, alemão e espanhol continuarão totalmente comprometidos com o Grupo e acreditam firmemente que a estrutura simplificada de gerenciamento proporcionará a base para uma efetiva governança corporativa e para um futuro de sucesso contínuo.

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP