Pista auxiliar do aeroporto de Ribeirão Preto é vetada

142

Pelo menos duas companhias aéreas que operam seus vôos no aeroporto Leite Lopes tentaram permanecer com suas operações normais no período entre 1º de junho e 31 de agosto, quando a pista principal estará interditada para reformas. As empresas Total e Passaredo pretendiam utilizar a pista auxiliar do aeroporto, que já teve suas obras de melhoria concluídas, mas não tiveram autorização da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Enquanto as companhias Ocean Air, Gol, Tam e BRA optaram por transferir suas operações para o aeroporto de Araraquara no período de interdição, Total e Passaredo escolheram o caminho de Franca.

Durante o período de obras as despesas com o traslado entre Ribeirão Pre-to, Franca e Araraquara ficará a cargo das companhias.

“Vamos disponibilizar um ônibus para transportar nossos clientes”, diz Antônio Francisco Veloso, gerente de planejamento da Total. A Passaredo também colocará um ônibus à disposição de seus passageiros.

Obras no Leite Lopes custarão R$ 33 milhões

O Daesp (Departa-mento Aeroviário do Estado de São Paulo) deverá investir R$ 33 milhões nas obras de reforma da pista principal do aeroporto Leite Lopes, de Ribeirão Preto.

A pista auxiliar passou por obras de melhoria ao longo dos últimos 30 dias.

Em abril, o Leite Lopes registrou o movimento de 33.955 passageiros que embarcaram ou desembarcaram em seu terminal. Para operar em outro local, as empresas tiveram que fazer adaptações. “Investimos na adequação de salas e balcões para atendimento no aeroporto de Franca”, diz Ricardo Cagno, da Passaredo.

O aeroporto Bartolo-meu de Gusmão, de Arara-quara, passou por obras de melhoria na pista e no terminal de passageiros para atender às operações da companhias aéreas que irão transferirão seus pousos e decolagens.

FONTE: Jornal A Cidade – Redação – São Paulo/SP

Publicidade