Rússia emprestará 12 caças ao país se vencer licitação F-X

130

A Rússia ofereceu a cessão imediata de 12 caças para suprir as necessidades
da Força Aérea Brasileira durante o hiato entre a aposentadoria dos atuais
Mirage e a chegada dos aviões “zero quilômetro”, se for escolhida para
fornecer o novo supersônico do Brasil. Confirmou que quer parceria com a
Embraer, caso ganhe a concorrência F-X, como o negócio de US$ 700 milhões é
conhecido.

“Temos uma solução para o caso”, disse o presidente da Sukhoi, Mikhail
Pogosyan. Ele fez um roteiro de visitas a autoridades e empresários na
semana passada, como parte da missão de empresários russos que querem
elevar o comércio bilateral, hoje estimado em US$ 2 bilhões ao ano.

Sua solução são 12 caças Sukhoi Su-27, a versão anterior do modelo
oferecido ao Brasil, o Su-35. O problema todo é que, qualquer que seja o
avião escolhido pela FAB, ele não estará disponível antes de 2007 para
suprir a defesa aérea do Brasil quando os Mirage usados hoje forem aposentados.

E essa aposentadoria começa no fim deste ano, criando a ameaça de um
“apagão” no Grupo de Defesa Aérea baseado em Anápolis (GO), que cobre o
centro nervoso do país: a região de Brasília e os pólos industriais do Sudeste.

“Além disso, de uma só vez o país conta com aviões que já são mais
avançados que os atuais Mirage e fazem a transição para o equipamento do
F-X”, disse o representante do consórcio russo que oferece do Su-35 no
Brasil, Luiz Mauro Vianna Camargo.

Outros concorrentes na disputa também apresentaram opções para esse
“apagão”. A Lockheed americana sugeriu o uso de versões antigas do F-16,
por exemplo. Só que em forma de leasing. No caso russo, o país pagaria
apenas o seguro dos aparelhos.

“Vamos negociar obrigatoriamente”, disse Pogosyan sobre a eventual
associação com a Embraer. Ele confirmou, conforme a Folha havia publicado
em dezembro, que a negociação envolve o mercado de aviação civil. O governo
já anunciou que a indústria nacional participará de qualquer forma do processo.

A Embraer não aceita a proposta, até porque é concorrente direta da Sukhoi
no fornecimento dos novos caças. Os russos ofertam o Su-35, em associação
com a brasileira Avibrás. Já a Embraer é sócia dos franceses da Dassault na
oferta do Mirage 2000BR. As compensações comerciais e considerações
geopolíticas darão o tom da decisão, que deve sair em março.

FONTE: IGOR GIELOW, Folha de S. Paulo – Fernando Valduga – Porto Alegre/RS