SWISS apresenta novo aumento de lucro no 3.º trimestre

112

Os rendimentos empresariais consolidados de janeiro a setembro de 2007 aumentaram para 3 590 milhões de francos suíços (ano anterior: 3 074 milhões de francos suíços). O resultado dos primeiros nove meses em nível EBIT foi de 475 milhões de francos suíços (ano anterior: 199 milhões de francos suíços). As circunstâncias econômicas dinâmicas permitiram à SWISS dar continuidade ao desenvolvimento positivo dos rendimentos dos primeiros seis meses no terceiro trimestre. O resultado empresarial dos meses de julho a setembro subiu para 1 286 milhões de francos suíços (ano anterior: 1 098 milhões de francos suíços). O EBIT do terceiro trimestre aumentou para 190 milhões de francos suíços (ano anterior: 101 milhões de francos suíços).

“A SWISS está voando na zona lucrativa em altitude de percurso confortável. O claro posicionamento da SWISS como empresa aérea de qualidade, o fortalecimento constante do centro de distribuição Zurique, a ampliação contínua e sustentável da frota e da malha aérea formam a base do nosso sucesso. Estamos muito satisfeitos com o desenvolvimento dos resultados, tanto no transporte de passageiros quanto no de carga”, disse o diretor-presidente da SWISS, Christoph Franz. “Junto com Lufthansa e Star Alliance, a SWISS ocupa hoje posição de ponta entre as concorrentes na Suíça e na Europa.”

Segundo Franz, a indústria da aviação depende mais diretamente da conjuntura do que a maioria das outras. As mudanças afetam a indústria da viagem com uma rapidez muito maior – tanto nas fases de aquecimento econômico quanto nas de desaceleração. “Nossas decisões relativas aos investimentos contemplam esse fato. A SWISS está crescendo nitidamente acima da média do mercado, mas o crescimento se dá passo a passo, consciente dos riscos e conforme a demanda. Felizmente, a insegurança que se instalou nos mercados financeiros globais em decorrência da crise imobiliária norte-americana até hoje não afetou o comportamento das reservas.”

Nos primeiros nove meses de 2007, a SWISS conseguiu comercializar a oferta de espaço ampliada (oferta de assentos-quilômestro 12,6% maior) no mercado, além de aumentar o fator médio de aproveitamento de assentos (SLF) dos seus vôos em 0,7 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano anterior, chegando a 80,5%. Comparado aos SLF de outras empresas aéreas européias, o da SWISS está bem acima da média.

Desde o início do ano, a SWISS aumentou o aproveitamento de seus vôos em relação ao mesmo período do ano anterior tanto nas rotas intercontinentais (+ 0,6 pontos percentuais, para 84,4%) como nos vôos na Europa (+ 0,9 pontos percentuais, para 72,4%). Nos primeiros nove meses de 2007 foram transportados cerca de 9,1 milhões (+ 12,3%) de passageiros. A SWISS alcançou um SLF de 83,6% (ano anterior: 83,9%). O desenvolvimento dos negócios da carga, geridos pela Swiss WorldCargo, também foi bom. O fator de aproveitamento de volume chegou a 84,0% nos primeiros nove meses (ano anterior: 84,7%).

“O crescimento com lucro da nossa empresa confirma que a orientação estratégica está correta. Agora chegou a vez de fortalecer a posição da SWISS no mercado – inclusive com investimentos que atendem a demanda. O que mais me deixa feliz é que a SWISS já conseguiu criar centenas de novas vagas de trabalho no decorrer deste crescimento, e continuará criando outras em 2008”, afirmou, ainda, Christoph Franz. “Os funcionários da SWISS contribuíram decisivamente para o aumento do lucro e por isso também deverão participar dele.”

No terceiro trimestre de 2007, a SWISS empregou em média 5 470 Pessoas (cálculo de vagas período integral). São quase 400 vagas a mais do que no mesmo trimestre do ano anterior, em média 5 579 pessoas nos primeiros nove meses do ano

Em 30 de setembro de 2007, o número de vagas de período integral chegou a 5 874 (em 31 de dezembro de 2006: 5 338 vagas de período integral), correspondente a 6 986 funcionários em todo o mundo. As novas vagas de trabalho são destinadas principalmente a tripulantes.

A Lufthansa está apoiando ativamente a SWISS em sua estratégia rumo ao sucesso, permitindo à empresa investir bem mais de um bilhão de francos suíços na renovação da frota intercontinental da SWISS. Com isso, a SWISS está substituindo nove aviões Airbus A330-200 pelos maiores e mais modernos A330-300. Depois de concluir a renovação da frota, será a única empresa aérea do mundo a oferecer First Class em todos os vôos de longa distância, enfatizando sua posição de empresa aérea de qualidade. Graças aos aviões maiores, a SWISS participa do crescimento do mercado ao mesmo tempo em que reduz as emissões específicas de CO2 de sua frota A330 em 13%. Além disso, nos próximos anos a SWISS passará a operar quatro Airbus A320 adicionais na sua malha aérea européia.

A partir de 25 de novembro, a SWISS voará diariamente de Zurique para a capital indiana Delhi e, na primavera européia de 2008, Xangai será incluída na malha aérea com um vôo diário. A ampliação da frota também permite aumentar o número de vôos já existentes, como, por exemplo, para Los Angeles, Sâo Paulo, Santiago de Chile (via Sâo Paulo) e Joanesburgo, que estão sendo servidas diariamente desde meados de julho. A oferta da malha aérea européia também está sendo ampliada: a partir de final de outubro: Berlim será servida quatro vezes por dia a partir de Zurique ao invés de três. A partir de março de 2008, os novos destinos São Petersburgo (diariamente), Florença (três vezes por dia) e Sofia (diariamente) serão oferecidos a partir de Zurique. E a partir do novo horário de vôos 2008, a malha aérea SWISS oferecerá três vôos semanais para Bucareste e um novo vôo diário para Roma, ambos a partir de Genebra.

Em 23 de agosto de 2007, a SWISS comunicou o aumento de sua participação na Swiss Aviation Training (SAT) para 100%. “A formação e o desenvolvimento profissional das nossas próprias tripulações assim com a de clientes terceirizados tem importãncia estratégica para a SWISS e a cooperação com a Lufthansa Flight Training oferece perspectivas adicionais”, disse Christoph Franz. Até então, a SAT era mantida pela SWISS e pela GCAT Flight Academy UK Limited (GCAT), numa joint venture com particição de 50% cada uma. Devido à integração da SAT, a empresa afiliada foi totalmente consolidada pela primeira vez no balanço intermediário do 3º trimestre de 2007.

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP

Publicidade