Sita usa Iridium para estender serviço de satélite Aircom para vôos de curta duração

179

A Sita, líder mundial em soluções de tecnologia da informação e comunicação para a indústria de transporte aéreo, expande seu serviço de comunicação Aircom para atender aeronaves que fazem vôos de curta duração, por meio do uso da rede Iridium. A expansão no atendimento do Aircom para um mercado potencial de 5 mil aeronaves foi anunciado para mais de 30 empresas aéreas no encontro de usuários de Aircom, promovido pela Sita, em maio na Espanha. Três companhias aéreas já se comprometeram com o serviço.

A contribuição da Sita é direcionada a empresas com frota que realiza vôos de curta duração, como o Airbus 320 e os Boeings 737 e 757; que já têm o sistema ACARS (Aircraft Communications, Addressing and Reporting System), protocolo de comunicação que permite a transmissão de dados entre a aeronave e companhia aérea; que utilizam VHF para acessar o serviço; e que optem pela instalação de equipamentos Iridium.

Muitas empresas aéreas estão operando com aeronaves de vôos de curta distância em destinos remotos onde elas podem perder o acesso dos pilotos a canais VHF de rádio e voz. Os 66 satélites da constelação Iridium encontram-se em altitudes mais baixas, possibilitando o uso de sistemas eletrônicos menores e mais leves do que os utilizados em comunicação por satélites tradicionais. Esses sistemas podem ser colocados nas aeronaves menores que as empresas aéreas estão destinando para locais remotos.

O sistema eletrônico Iridium provê mais capacidade de dados para o serviço de comunicação e voz ACARS que o rádio HF que essas aeronaves destinadas a vôos de curta distância precisam usar quando estão fora da cobertura de rádio VHF. Os satélites também provêm cobertura sobre os pólos Norte e Sul, onde, até agora, o HF era a única opção. Logo, as aeronaves de longa distância que sobrevoam os pólos serão beneficiadas por estarem equipadas para o uso do Iridium.

Philip Clinch, vice-presidente da Sita para comunicação de aeronaves, disse: “Nós estamos felizes de sermos capazes de oferecer a nossos clientes uma forma de manter controle de aeronaves de curta distância que estão operando em rotas mais exigentes. O interesse das empresas aéreas nessa medida se comprovou com a contratação do serviço por três empresas antes mesmo do serviço ter sido oficialmente lançado.

Essa expansão da Sita para os serviços Aircom foi possível devido a uma distribuição do acordo firmado em fevereiro com a Iridium. Os serviços Iridium estão em uso por milhares de aeronaves comerciais e governamentais. Os sistemas eletrônicos de comunicação e navegação abriram a possibilidade de uso para um grupo maior de empresas de transporte aéreo em 2007 devido ao desenvolvimento de interfaces para as empresas aéreas que utilizam o padrão ACARS.

As aeronaves usarão o Iridium inicialmente para manterem contato com o pessoal e sistemas técnico e operacional. Além disso, o Iridium adotou padrões da Organização Internacional de Aviação Civil (ICAO, International Civil Aviation Organization), especificando suas interfaces, e o uso dos satélites está sendo validado por diversos agentes de controle de tráfego aéreo.

Don Thoma, vice-presidente de marketing da Iridium Satellite, disse: “Entrar para o mercado de aeronaves de vôo de curta distância em parceria com uma empresa provedora de comunicação para aeronaves de classe mundial como a Sita ajuda a consolidar nossa posição como número 1 no fornecimento de comunicações por satélite para a aviação e o setor aeroespacial, com 16 mil unidades Iridium instaladas.

“Como o único provedor de serviços de satélite móvel com cobertura total sobre o planeta, nós estamos suavemente ganhando mercado e estabelecendo serviços Iridium como padrão ouro da indústria. Análises de tráfego do primeiro quadrimestre de 2008 revelam a adesão crescente desde o ano passado: com a base instalada do Iridium para terminais aéreos aumentando para 51%; tempo de uso em vôo de voz e de circuitos de dados para 46% e tráfego de dados do padrão SBD (short burst data) aumentando para 77%.

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP