TAM aumenta oferta nos mercados doméstico e internacional com a chegada de aviões

149

A TAM aumentou sua oferta (em ASK – assentos-quilômetros oferecidos) em 12,7% no mercado doméstico e em 73,4% no internacional no terceiro trimestre deste ano em comparação com igual período do ano passado. Esse crescimento foi possível com a incorporação de 24 aeronaves à frota da empresa somente neste ano – sendo 16 Airbus A320; um A319; três A321; um A340 e três MD-11 – que correspondem a um investimento aproximado de US$ 1,6 bilhão. Com isso, a TAM atingiu atualmente frota de 111 aeronaves, que até setembro tinha 106 unidades. A expectativa é a de fechar o ano com 110 aviões, considerando seis F-100 que serão devolvidos até dezembro.

A empresa ampliou suas freqüências no Brasil, buscando descentralizar “hubs” e oferecendo mais opções de horários para as principais cidades nas regiões Norte, Nordeste e Sul. No segmento internacional, iniciou vôos diários para Londres e Milão. Passou a operar a segunda freqüência diária para Nova York e a terceira, também diária, para Paris. Na América do Sul, começou a voar para Córdoba e Caracas, além de incrementar as operações a Buenos Aires.

Entre janeiro e setembro, a TAM obteve 49,1% de participação média no mercado doméstico, crescimento de 2,1 p.p. em relação ao mesmo período de 2006. A maior parte deste aumento de participação decorreu do aumento de oferta da companhia combinado com a estratégia de preços competitivos. No segmento dos vôos internacionais operados pelas companhias aéreas brasileiras, o market share médio acumulado da TAM até setembro avançou 33,6 p.p., para 66,0%.

No terceiro trimestre, a receita bruta foi de R$ 2,146 bilhões, 1,4% inferior ao registrado em igual período do ano passado. No acumulado do ano, totalizou R$ 5,663 bilhões, expansão de 8% em relação a 2006, com destaque para o crescimento das receitas obtidas com cargas doméstica e internacional que evoluíram 60,8% no trimestre e 62,5% de janeiro a setembro ante os mesmos períodos do ano anterior. No grupo de outras receitas operacionais, as parcerias com o Programa Fidelidade reverteram em receitas de R$ 74,6 milhões no trimestre (aumento de 32,4% comparada ao 3º trimestre de 2006) e de R$ 215,9 milhões no acumulado do ano (48,2% superior ao ano anterior).

A companhia apurou lucro de R$ 48,5 milhões no 3º trimestre e de R$ 79,1 milhões no acumulado do ano. Em US GAAP (prática contábil americana), o lucro da companhia atingiu R$ 143,0 milhões no trimestre e R$ 350,1 milhões de janeiro a setembro.

Resultado da operação, o EBIT foi de R$ 57,2 milhões e margem de 2,8%. No acumulado do ano, totalizou R$ 178,0 milhões (margem de 3,0%). O EBITDAR, que reflete a geração de caixa da empresa antes das despesas financeiras, impostos, depreciação, amortização e aluguéis, somou R$ 313,3 milhões e margem de 15,2%. De janeiro a setembro, acumulou R$ 906,1 milhões, com margem de 15,4%.

O custo por assento-quilômetro (CASK) caiu 10,2% no 3º trimestre comparado a 2006. Os principais fatores que contribuíram para essa redução foram a diminuição de custos com serviços prestados por terceiros, despesas de comercialização e marketing, além da apreciação do real em 15,4%.

A tarifa média geral praticada pela TAM também diminuiu 6,3% no 3º trimestre, fechando o período em R$ 263,00, e registrou queda de 8,4% no acumulado do ano, para R$ 246,00.

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP