TAM conquista certificação internacional em segurança de vôo

211

A TAM Linhas Aéreas recebeu hoje a certificação IOSA (IATA Operational Safety Audit), o mais completo e aceito atestado internacional em segurança operacional. O certificado foi concedido em cerimônia realizada na Academia de Serviços Comandante Rolim Amaro, em São Paulo, com a presença de executivos da IATA, após a finalização do processo de auditoria e a entrega do Registro IOSA (www.iata.org/registry).

“O Programa IOSA é uma ferramenta importante que apóia o foco contínuo em segurança operacional”, afirma Günter Matschnigg, vice-presidente sênior de Segurança, Operações e Infra-estrutura da IATA. “A TAM demonstrou sua dedicação aos processos de segurança operacional que asseguram os padrões internacionais e as melhores práticas adotadas pelas principais companhias aéreas do mundo.”

“Este é mais um passo importante para a TAM. Temos a segurança de vôo como um dos mandamentos de destaque deixados por nosso fundador, cmte. Rolim Amaro, e que sempre norteou nossa operação”, afirma o presidente da TAM, Marco Antonio Bologna. De acordo com os mais altos padrões de governança, o departamento Flight Safety da TAM é totalmente independente dos demais setores da empresa e está ligado diretamente à presidência.

Lançado em 2003, o Programa IOSA é reconhecido internacionalmente como o padrão mundial para o gerenciamento da segurança operacional. A certificação inclui oito aspectos principais para uma operação segura em uma companhia aérea: controle operacional; operações de vôo; despacho operacional de vôo; engenharia e manutenção das aeronaves; operações de cabine, ‘ground handling’ (check-in e serviço de solo); operações de carga e security. Esses itens englobam mais de 700 requisitos que necessitam ser integralmente atendidos para se obter a certificação IOSA.

Produzidos de forma padronizada e consistente, os relatórios IOSA podem ser aceitos, por exemplo, por empresas aéreas em acordos de code-share, reduzindo significativamente o número de auditorias redundantes.

A TAM segue rigorosamente normas e padrões estabelecidos pelas autoridades aeronáuticas brasileiras e pelas organizações internacionais, como a ICAO (International Civil Aviation Organization). É filiada aos mais importantes órgãos de segurança de vôo da aviação civil no mundo, entre eles a FSF (Flight Safety Foundation), a maior organização mundial não-governamental de safety.

A Companhia participa ativamente na coordenação do Comitê Regional de Segurança de Vôo (RCG) para as Américas, da IATA. Além disso, segue as regulamentações da FAA (Federal Aviation Administration), órgão que controla a aviação civil norte-americana e do NTSB (National Transportation Safety Bord) e DoT (Department of Transportation), atendendo plenamente aos requisitos para operar no espaço aéreo norte-americano.

Em julho de 2006, três meses antes de iniciar seu vôo diário para Londres, tornou-se integrante efetiva do United Kingdom Flight Safety Committee (UKFSC), associação de entidades e profissionais dedicados ao aprimoramento da segurança de vôo na aviação comercial no Reino Unido. No mesmo ano, passou a membro do steering committee do Emergency Response and Planning Task Force (ERPTF) da IATA.

Tendo o tema como mandamento destacado da empresa (“Mais importante que o Cliente é a Segurança”), legado do fundador comandante Rolim Amaro, a TAM está entre as companhias aéreas que se destacam mundialmente por seu envolvimento com segurança de vôo, adotando modernos padrões de organização e gerenciamento de “Safety”. Exemplo disso é o sistema FOQA (Flight Operations Quality Assurance), que garante o máximo de prevenção proativa com a análise sistemática de informações de gravadores adicionais de parâmetros de vôo. A TAM foi a primeira companhia da América Latina a instalar esse sistema, em 2002. Há um ano, convidada pelo CNPAA (Comitê Nacional de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), coordena um trabalho normativo para padronizar o uso deste tipo de programa de acordo com as normas da ICAO, tornando-se benchmark oficial para as demais empresas brasileiras.

Como membro efetivo do SAC (Safety Advisory Commitee), a TAM integra um seleto grupo de companhias aéreas que formam o Comitê de Planejamento Estratégico de Safety para nortear os estudos e as ações do setor das empresas que compõem a IATA – cerca de 300 em todo o mundo.

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP

Publicidade