TAM lidera ranking de melhores companhias para investidores

88

A TAM foi a campeã entre as melhores companhias para os acionistas na categoria das empresas com valor de mercado de R$ 5 bilhões a R$ 15 bilhões na primeira edição do ranking da revista especializada Capital Aberto. Com base na análise de cinco quesitos, a publicação elegeu as empresas que melhor tratam os investidores do mercado de capitais.

Em matéria na edição especial que chega aos leitores esta semana apresentando “As Melhores Companhias para os Acionistas em 2006”, a revista Capital Aberto destaca que a TAM alcançou valor de mercado de R$ 9,5 bilhões no dia 30 de setembro de 2006, 98% de presença das ações em Bolsa (liquidez) com índice de 0,58, aumento de 22,38% na geração de valor da empresa (retorno econômico) e retorno econômico da ação acima do custo de capital próprio de 153,29%.

A TAM passou a integrar no último dia 1º de dezembro o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da Bovespa na carteira que vigorará até 30 de novembro de 2007, em conseqüência da constante preocupação da Companhia com a implementação das boas práticas de responsabilidade social e ambiental presentes no mundo moderno. O calendário impediu que a empresa obtivesse mais pontos no ranking com esse quesito.

Em entrevista à revista, o presidente da TAM, Marco Antonio Bologna, explica que “o mercado de capitais é um parceiro de longo prazo, com o qual podemos contar para captar recursos voltados a financiar a expansão, obter uma chancela externa para nossas decisões executivas e também encontrar acionistas que vibrem positivamente com o nosso crescimento”.

Na classificação do I Ranking Capital Aberto, a revista analisou o desempenho das empresas na composição dos seguintes quesitos:

(i) Liquidez das ações em Bolsa de Valores indicando a sua boa negociabilidade;

(ii) Retorno econômico mostrando o aumento da geração de valor da empresa;

(iii) Retorno econômico da ação medindo o desempenho do preço dos papéis acrescido dos dividendos e demais proventos;

(iv) Governança corporativa, indicando as melhores práticas no relacionamento com os investidores – transparência na divulgação de informações, concessão de direitos aos acionistas e boa estrutura e funcionamento do conselho de administração; e

(v) Sustentabilidade, atribuindo pontuação adicional para as empresas presentes no Índice de Sustentabilidade da Bovespa (ISE).

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP