Transbrasil perde hangares e acaba de vez

215

O empresário Antonio Celso Cipriani, último presidente da Transbrasil, empresa aérea que teve sua falência decretada em agosto do ano passado, terá que arranjar outro local para instalar a sede da Target, sua companhia de táxi aéreo que vinha usando os hangares da massa falida nos aeroportos de Brasília e Congonhas, em São Paulo. Portaria do Comando da Aeronáutica publicada no Diário Oficial da União cancelou em definitivo a concessão da Transbrasil, que oficialmente agora já não existe mais como companhia aérea.

A Portaria 303/GC5 declara a caducidade do contrato de concessão entre a Transbrasil S.A. e o Departamento de Aviação Civil (DAC), obrigando a desocupação dos hangares da Infraero nos dois aeroportos. Mesmo assim, a dívida de R$ 170 milhões que a companhia tem com a Infraero continuará sendo cobrada na Justiça, segundo a estatal.

Desde que ficou impedida de voar, quando a Shell parou de fornecer combustível para sua frota, em 3 de dezembro de 2001, Antonio Celso Cipriani tentou apoio do governo federal para ressuscitar a companhia e retomar seus vôos. Em agosto de 2003, entretanto, a Justiça decretou sua falência, diante de uma dívida que à época já somava mais de R$ 1 bilhão, dos quais cerca de R$ 700 milhões têm o INSS como credor. Mesmo assim, a empresa vinha mantendo os hangares, que em São Paulo também servia à Target, outra empresa de Cipriani de táxi aéreo.

FONTE: Panrotas – Fernando Valduga – Porto Alegre/RS

Publicidade