VarigLog, reestruturada, amplia volume transportado e faturamento

105

A empresa está totalmente reestruturada, com custos otimizados, malha aérea estabelecida e pontual, 10 modernos aviões que atendem às principais regiões brasileiras, atingindo 3.700 destinos no Brasil.

VarigLog transportou 8.239 toneladas no mês passado (275 toneladas/dia), num total de 16.518 toneladas de carga em apenas dois meses (agosto e setembro). Passou de um faturamento de R$ 17 milhões para R$ 30 milhões no último mês. Em menos de um semestre, a empresa faturou 76% a mais, com a reconquista de fatias de mercado, novos contratos e atração de novos clientes corporativos.

Para chegar a estes resultados em tão pouco tempo, a nova direção da empresa promoveu um drástico enxugamento de custos, com controle rígido de despesas, renegociação de contratos, alongamento da dívida e atração de novos clientes corporativos.

A racionalização de custos trouxe mudanças à operação – foram devolvidos os DC-10, com alto consumo de combustível e gastos de manutenção, que faziam as linhas para o exterior, deficitárias, (mantém apenas uma linha internacional Campinas/Buenos Aires/Santiago/Campinas) e a frota otimizada.

Primeira empresa da América Latina a operar com os modernos cargueiros Boeing 757, a VarigLog voa hoje com 4 destes aparelhos, com capacidade de carga de 30 toneladas, 3 Boeings 727, que podem transportar 25 toneladas, além de 3 Cessnas, com capacidade de 1,5 toneladas.

Esses resultados não são superados por nenhuma outra empresa de transporte de carga aérea doméstica exclusivamente cargueira, onde atuam pequenas companhias que operam no máximo com 2 aviões. Isto, mesmo computando-se as franquias que se mudaram da VarigLog para outras companhias, por não atenderem ao perfil de qualidade da empresa, e não preencherem condições mínimas da clientela de carga aérea expressa.

A VarigLog detém hoje cerca 60% do mercado de carga aérea doméstica com aviões exclusivamente cargueiros, atendendo mais de 3.700 destinos no Brasil.

O plano da empresa é ultrapassar 70% de market share do segmento aéreo cargueiro, não apenas abocanhando novas fatias das concorrentes na rota Guarulhos-Manaus, onde já é líder, como também reduzindo a presença das companhias mistas (passageiros e carga de porão) em outros destinos, onde atua sozinha como cargueira.

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP