Presidente da Infraero faz balanço dos aeroportos no país

468
Foto: Enos Moura Filho

Durante o lançamento do Relatório Ambiental de 2011 da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), no Galeão, Antonio Gustavo Matos do Vale, presidente da empresa, fez um balanço do impacto que a Rio +20 já trouxe para a aviação da cidade. “No Rio de Janeiro, para os grandes eventos que se aproximam, temos uma estrutura montada com a prefeitura e o estado, principalmente na questão do BRT, que irá chegar ao Terminal 2 do Galeão, justamente para que o fluxo de automóveis dentro do aeroporto seja minimizado”, informou.

Gustavo do Vale também comentou as comparações entre o recebimento da reunião da ONU e os eventos que a cidade e o país vão receber. “Esse evento não faz muita diferença, pois no número de fluxo pessoas não é muito maior em relação aos que recebemos durante o carnaval e outras datas festivas. Ele é sim grande por recebermos os chefes de estado e precisarmos de um esquema especial para recebê-los. Para os eventos que se avizinham, o Encontro da Juventude Católica, junto com a Copa das Confederações, no ano que vem, e posteriormente a Copa do Mundo e as Olimpíadas, nesses precisaremos de obras que se iniciam já na próxima semana para ampliar o serviço do aeroporto”, afirmou.

O presidente da Infraero aproveitou para analisar as obras nos aeroportos do país, visando o Copa do Mundo. “As obras estão exatamente no cronograma que desenvolvemos. Evidentemente temos atrasos em algumas obras e projetos, mas no nosso ponto de vista nada que comprometa a realização da Copa do Mundo. Os demais aeroportos, todos estão em obra, com exceção da parte do terminal de passageiros de Curitiba, que na próxima semana terá o início de processo de licitação, e a ampliação do terminal de Porto Alegre. Mas são ampliações pequenas, os terminais de passageiros são bons” explicou.

Sobre a possível privatização do Galeão, Gustavo do Vale garantiu que a Infraero não está parada enquanto não é definido o destino do aeroporto. “Todas as nossas obras para o Galeão estão previstas, independentemente do que vai acontecer, se vai ser privatizado ou não, pois esta é uma decisão do Governo Federal. O terminal 2 está sendo totalmente remodelado e quando for aberto será possível ver que ele está sendo transformado em um grande terminal internacional. Afirmo que aeroporto não será problema para nenhum desses eventos, pode apostar”, finalizou.

Fonte: www.mercadoeeventos.com.br

Publicidade