US$ 250 milhões impulsionarão a Avianca (OceanAir) acima de 2,40% de market-share?

1346

Ao que tudo indica agora decola! A Avianca, nova identidade da OceanAir, foi apresentada oficialmente hoje á imprensa e convidados numa cerimônia no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, esta noite, 26 de abril.

Em 2001 arrendou três aviões Embraer 120 da extinta Rio-Sul para iniciar operações que passaram por Congonhas. Em dezembro de 2003 operava com 7 Embraer 120 e 3 Fokker 50. Em maio de 2004 adquiriu 75% da Avianca, da Colômbia, através do Grupo Sinergy. Naquele mês a companhia estava presente em mais de 30 cidades brasileiras, com vôos diários nas regiões Sudeste, Sul, Nordeste e Centro-Oeste mas com apenas 0,35% de participação de mercado.

Em fevereiro de 2005 a OceanAir reorganizou sua malha de vôos no Nordeste oferecendo melhores frequências em destinos já operados e em agosto assumiu as operações comerciais da Avianca em São Paulo.

No dia 9 de janeiro de 2006 o primeiro jato Fokker 100 da empresa, chamado de MK-28, iniciou vôo de Congonhas para Galeão – Salvador – Maceió – Fortaleza – Juazeiro do Norte.

Recebeu autorização para voar para as cidades de Johannesburg (Africa do Sul), Lagos (Nigéria), Lima (Peru) e Los Angeles (Estados Unidos), concedida pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Para isso negociou a aquisição, por meio de leasing operacional, de três aeronaves sendo um Boeing-757 e dois 767. Em junho iniciou acordo de code-share com a BRA, acordo este que deveria ter duração de dois anos mas terminou após quatro meses. No final de novembro de 2006 anunciou a aquisição firme de 7 Airbus A330-200, 14 Airbus A319 e 7 Airbus A320.

Em 2008 iniciou voos na Ponte Aérea RJ-SP no mês de março com os Fokker 100. Um mês depois decidiu descontinuar seu voo para o México e transferir sua frota de Boeing 757s e 767 para a Avianca. Além disso, redimensionou sua malha no mercado interno para atender apenas 25 cidades para refletir a realidade de câmbio, tarifas e custos, sendo que naquele mês obteve 3,31% de mercado.

Em 8 de abril deste ano recebeu o primeiro Airbus A319 de um total de quatro que deverão integrar a frota em 2010. O segundo chegará em maio, o terceiro em junho e o quarto até o final do ano, esperando gerar 30% mais oferta de assentos. O presidente da empresa disse que o Grupo Taca-Avianca poderá adquirir até 20% da Avianca (OceanAir). Isto poderia disponibilizar mais do que os US$ 50 milhões de Reais, que sobrarão em caixa, para investimentos extras na empresa, já que os outros US$ 200 milhões correspondem ao investimento nos Airbus, para este ano.

De Embraer 120 para Fokker 50, de Fokker 50 para Fokker 100, de Fokker 100 para Boeing 757/767, de pequenas localidades a grandes localidades. O que mais marcou os últimos nove anos de OceanAir foi a falta de objetividade em cidades atendidas, estratégia de rotas, política de tarifas e padronização de frota. Agora, com a chegada dos Airbus, esperemos pelo crescimento que alinhou nos últimos anos mas não decolou.

Publicidade