TAM amplia suas operações na China

525

A TAM Linhas Aéreas inicia hoje (8 de julho) suas operações comerciais baseadas em Pequim, na China. Para celebrar a ocasião, foi realizado um evento para convidados no Shichahai Club, em Pequim, com a presença de Líbano Barroso, presidente da TAM Linhas Aéreas; José Sales Filho, diretor regional para Europa, Oriente Médio, Ásia e África; Thierry Curey, gerente geral da companhia para Ásia; e do gerente comercial da TAM para o mercado chinês, Carlos Ribeiro.

Com a ampliação das operações na China, a TAM Linhas Aéreas dá continuidade a sua estratégia de buscar novos passageiros no mercado asiático por meio de uma política comercial direcionada à região. O objetivo da empresa é apresentar seus serviços ao mercado chinês, estreitando o relacionamento com os agentes de viagens e clientes do país.

“A China é um dos maiores parceiros comerciais do Brasil e foi o principal destino das exportações brasileiras em 2010, o que provoca um tráfego significativo entre os dois países. É uma excelente oportunidade para captarmos novas receitas”, explica Paulo Castello Branco, vice-presidente Comercial e de Alianças da TAM. Em 2010, o Brasil recebeu 37.849 visitantes da China, um aumento de 34% em relação ao ano anterior. Desse total, 36.444 pessoas, ou 96%, utilizaram o transporte aéreo para chegar ao país. Os dados são do Ministério do Turismo do Brasil.

Desde 2009, a empresa opera voos compartilhados (codeshare) com a Air China, sua parceira na Star Alliance, interligando Pequim e São Paulo (via Madri). Em fevereiro deste ano, a TAM Linhas Aéreas inaugurou seu escritório administrativo e comercial na Ásia, localizado em Hong Kong. Este é o terceiro back office da companhia, semelhante aos modelos já consolidados em Madri, na Espanha, e em Miami, nos Estados Unidos. O local presta suporte técnico e comercial para toda a rede de agentes de viagens e representações da companhia no continente.

Atualmente, a TAM possui representações comerciais em 45 mercados offline (onde não opera voos próprios), sendo 12 deles na Ásia. Além disso, possui gerências no Japão e na China.

Publicidade