Tráfego aéreo brasileiro implanta novas tecnologias

1289
Foto: Enos Moura Filho
Foto: Enos Moura Filho

Ás vésperas da Copa do Mundo FIFA™ 2014 e das Olímpiadas 2016, a SITA está trabalhando com a Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA) para atualizar a tecnologia de gestão do tráfego aéreo no Brasil. A CISCEA é responsável pelo desenvolvimento e implementação de novas tecnologias para o DECEA, Departamento de Controle do Espaço Aéreo.

A SITA já fornece soluções como o datalink que permite a autorização de decolagens aos pilotos (DCL) e o serviço automático de informação de terminal por enlace de dados (D-ATIS) no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro – Antônio Carlos Jobim, e o Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. Estas soluções serão agora expandidas para outros 23 aeroportos de todo o Brasil.

Major Brigadeiro Carlos Vuyk de Aquino, presidente da CISCEA, diz: “O Brasil possui o espaço aéreo mais movimentado da América do Sul e estamos muito orgulhosos de sediar os dois maiores eventos esportivos do mundo. Queremos que todos os passageiros possam voar por todo o Brasil de forma tranquila e sem imprevistos. Por isso, é essencial que os nossos gestores de tráfego aéreo tenham acesso a melhor tecnologia disponível.

Este investimento não é destinado só para os grandes eventos, mas também como parte do SIRIUS, maior programa de modernização do DECEA. Uma das principais metas e deste programa é a prestação de serviços de enlace de dados (datalink) nos principais aeroportos do Brasil com a finalidade de transformar a comunicação de tráfego aéreo. Já trabalhamos com a SITA há dez anos e estamos confiantes de que a equipe SITA entregará exatamente o que precisamos.”

O sistema DCL, solução de datalink da SITA, integrado aos sistemas locais agiliza o controle de decolagens. O piloto pede a autorização da decolagem, através de uma mensagem de texto enviada à torre de controle e o controlador responde também, via datalink. Com a solução D-ATIS, o aeroporto transmite, em tempo real, as informações operacionais aos pilotos através do datalink. Juntos, o DCL e D-ATIS reduzirão a sobrecarga da frequência de voz VHF e aperfeiçoarão a segurança e a eficiência de um modo geral das operações de controle de tráfego aéreo nos aeroportos afetados.

Philip Clinch, vice-presidente de serviços de aeronaves da SITA, diz: “Com o datalink os voos se tornarão mais eficientes e ainda mais seguros. A transmissão de dados em formato de texto é altamente confiável. O datalink reduz a carga de trabalho dos controladores de tráfego aéreo e também dos pilotos e permite que a comunicação entre eles seja mais precisa. As informações podem ser transmitidas em qualquer fase do voo, antes da partida e da aproximação para pouso nos períodos de maior movimento nos aeroportos.”

O projeto começou em dezembro de 2013 e está avançando conforme planejado. A nova tecnologia será entregue em lotes de quatro aeroportos por vez e a implantação deverá ser concluída para os Jogos Olímpicos 2016.

Publicidade