A Boeing destaca o progresso na fabricação do primeiro 787 e dos aviões subseqüentes

197

A algumas semanas da premiere do seu mais novo jato nos últimos 13 anos, a Boeing tem feito progressos diários na montagem final de seu primeiro 787 Dreamliner, em Everett, Washington.

Mike Bair, vice-presidente e gerente geral do programa 787, relata os avanços da montagem durante o Paris Air Show, em Le Bourget, França. Bair ressalta que a equipe está trabalhando incansavelmente na preparação do avião para a sua estréia, agendada para oito de julho de 2007.

“É um momento mágico do programa”, declara Bair. “Quando você constrói o primeiro avião, de um tipo completamente novo, a pressão é incrível e as horas parecem não passar, mas quando tudo está montado e é visível, palpável, é que percebemos que o desafio nos trouxe também o que existe de melhor em nosso pessoal”, emociona-se Bair.

O responsável pelo programa ainda destacou que os aviões subseqüentes também estão sendo montados com grande êxito.

“É fácil focar-se apenas no primeiro avião, mas o mais importante é lembrar que vamos construir centenas deles. Cada avião é tão importante quanto o primeiro e deve ser construído como tal”, explica Bair. “Nossos parceiros internacionais dividem este sentimento conosco além de estarem focados em atender o compromisso com os clientes – todos eles”.

O relatório ainda inclui um panorama e previsões sobre o andamento dos trabalhos na linha de montagem dos outros aviões 787.

O próximo modelo a ser construído será o 787-3, versão idealizada para rotas mais curtas. All Nippon Airlines (ANA) e Japan Airlines (JAL) possuem 43 encomendas do 787-3 para rotas curtas no Japão. As entregas deste modelo terão início no primeiro semestre de 2010.

No final de 2010, a fabricante iniciará a entrega do 787-9, versão ligeiramente maior que o modelo original, com capacidade para transportar mais passageiros em vôos de longa distância. Aéreas como Air New Zealand, Singapore Airlines, Continental e Qantas estão entre os 11 clientes que encomendaram as 115 unidades do 787-9.

A Boeing está trabalhando com clientes interessados no desenvolvimento e construção de um modelo 787-10, que ainda não foi lançado.

“A questão não é se teremos o 787-10, mas quando o teremos”, disse Bair. “Percebemos o grande interesse e demanda por este avião, por tanto estamos trabalhando para oferecê-lo ainda melhor. Temos tempo para isso. Na verdade, conseguimos antecipar a chegada da versão -10, graças à grande demanda das versões iniciais deste avião. Vemos o 787-10 sendo introduzido por volta de 2013”, estima o vice-presidente e gerente geral do Programa 787.

Bair ainda chamou o grande interesse do mercado de ‘a parte mais gratificante do Programa’.

Ele pontuou que as vendas continuam aquecidas e que, há apenas dois meses atrás, o Programa do 787 celebrou a marca de 500 aviões vendidos. Até hoje, o programa registra 634 pedidos distribuídos entre 45 clientes em todo o mundo, incluindo a encomenda da International Lease Finance Corporation (ILFC), anunciada em Le Bourget.

“Esta marca é a maior de todas as certificações possíveis de que a Boeing está trazendo o melhor avião e no momento mais oportuno. Linhas aéreas, em todo o mundo, já validaram a sua incrível performance ambiental, seu poder de conquistar os passageiros e a tecnologia de ponta empregada em sua fabricação. A combinação destes fatores é o que faz do 787 a aeronave perfeita para o vôo do segundo século da aviação”, exulta o executivo.

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP