CVM libera negociação de ações da Varig na Bovespa

118

Depois de suspender durante todo o dia de ontem as operações com ações da Varig listadas na Bovespa, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) informou, no fim do dia, que a partir de hoje os papéis poderão voltar a ser negociados

A suspensão ocorreu porque a empresa não cumpriu o prazo determinado pela autarquia para apresentar fato relevante esclarecendo como ficarão seus papéis após a mudança do controle da companhia.

A Varig tinha até ontem, antes da abertura do mercado, para enviar as informações à CVM.

A empresa foi vendida em leilão para a ex-subsidiária de logística VarigLog pelo preço mínimo de US$ 20 milhões.

” Considerando que a administração da Varig não divulgou qualquer fato relevante ou comunicado ao Mercado acerca do negócio mencionado (venda da companhia), a CVM decidiu, nos termos da Instrução CVM nº 297/88, suspender a negociação, até a prestação da informação, ou até posterior decisão da autarquia ” , informou a CVM, em nota ontem pela manhã.

À tarde, a Varig encaminhou dois comunicados e um fato relevante à autarquia e à Bovespa, com explicações sobre a venda da marca Varig e ativos operacionais no leilão realizado na semana passada.

No fato relevante, a empresa ressaltou que não há em seu plano de recuperação judicial ” previsão que implique em alteração nas posições acionárias nas companhias ” .

Com isso, as ações dos minoritários da empresa continuam na Varig ” velha ” , que herdou uma dívida de cerca de R$ 7 bilhões e permanece em recuperação judicial.

Até ontem, os investidores ainda estavam confusos sobre o futuro das ações e alguns chegaram a pedir esclarecimentos à CVM.

Em nota, no fim do dia, a CVM informou que após análise do fato relevante e dos comunicados divulgados pela empresa decidiu autorizar o reinício, a partir de hoje, das negociações das ações da Varig listadas na Bovespa.

Ontem, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou, também em nota, que a Nova Varig está cumprindo a planilha de retomada da malha aérea divulgada pela empresa na terça-feira.

Ficou determinado que a companhia aérea manterá a malha operada durante o plano de emergência, em vigor desde 21 de junho.

A Varig tem 30 dias para informar à Anac sua malha definitiva. Caso contrário, as rotas serão redistribuídas pela agência.

A malha temporária enviada pela companhia área à Anac prevê onze vôos: Rio-São Paulo (Galeão-Guarulhos), São Paulo-Salvador-Recife, Recife-Salvador-São Paulo, São Paulo-Rio (Guarulhos-Galeão), São Paulo-Porto Alegre (a partir de Guarulhos), São Paulo-Porto-Alegre-São Paulo (a partir de Congonhas), São Paulo-Manaus-São Paulo, São Paulo-Fortaleza, Rio-Buenos Aires, São Paulo-Nova York e São Paulo-Frankfurt. Estes vôos não incluem a ponte aérea Rio-São Paulo. A empresa opera 36 vôos diários na ponte.

O Valor apurou que amanhã a Varig pode anunciar a demissão de grande parte de seus funcionários.

A nova empresa ficaria com 1,7 mil dos cerca de dez mil empregados da Varig ” velha ” .

A expectativa é de que a VarigLog encomende até o fim do ano 30 novas aeronaves, o que significaria a contratação de mais cinco mil pessoas.

FONTE: Valor Online – Janaina Vilella – São Paulo/SP