Sucesso no lançamento do novo Ariane 5 ECA

99

Foi lançado no último sábado (12) da base de Kourou, na Guina Francesa, o Ariane 5 ECA – o mais novo e potente foguete europeu, que se tornará a principal ferramenta da Arianespace para serviços de lançamento comercial. Seu estágio superior ESC-A foi produzido na fábrica da EADS Space Transportation (divisão da EADS Espaço) em Bremen, na Alemanha.

“O sucesso deste lançamento mostra mais uma vez o know-how e a excelência da indústria espacial européia”, afirmou o presidente da EADS Space Transportation, Josef Kind. O CEO da empresa, Hervé Guillou, acrescentou que o potente estágio superior ESC-A, aliado ao motor Vulcan II do estágio principal , produzido pela Snecma, proporcionam o ganho de performance necessário para assegurar a dupla capacidade de lançamento do Ariane.

O lançamento de sábado foi feito sob responsabilidade da Agência Espacial Européia, e levou ao espaço o satélite espanhol Xtar-EUR, o modelo Maqsat-2 e o microssatélite Sloshsat. “Trata-se do resultado de um trabalho intensivo feito por todas as equipes da EADS Space Transportation e da indústria nos últimos dois anos. Seu sucesso reforça nossa habilidade de assumir as responsabilidades de principal contratada para o sistema Ariane 5”, avaliou o diretor de Lançamentos da EADS Space Transportation, Hugues Laporte-Weywada. Em maio de 2004, a EADS Space Transportation ganhou contrato para a produção de 30 lançadores Ariane 5.

A EADS Space Transportation é a principal companhia européia do setor de transporte espacial civil e militar. Desenvolve e produz os lançadores Ariane, o laboratório Columbus, o transportador de carga ATV para a Estação Espacial Internacional, veículos de reentrada atmosférica, sistemas de propulsão, sistemas voltados para defesa e equipamentos espaciais.Tendo registrado em 2003 um faturamento de 1,2 bilhão de euros, a empresa integra a EADS Espaço, divisão do grupo EADS que compreende também as atividades das controladas EADS Astrium e EADS Space Services (desenvolvimento de serviços relacionados a satélites). Em 2003, esta divisão registrou receitas de 2,4 bilhões de euros.

FONTE: Aviação Brasil / EADS – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP