Finanças

Azul divulga balanço trimestral

Azul divulga balanço trimestral
Apresentamos um resumo relevante do Balanço do primeiro trimestre da Azul Linhas Aéreas
Receita Líquida
No primeiro trimestre de 2017 a Azul reportou uma receita líquida de R$1.873,8 milhões, crescimento de 12,3% comparado com o mesmo período do ano passado, devido principalmente ao aumento de 8,3% na receita de transporte de passageiros e ao crescimento de 43,3% em outras receitas.
Os passageiros quilômetro transportados (RPKs) aumentaram 7,0%, frente a um aumento de 2,7% na capacidade, levando uma taxa de ocupação de 81,4%, um aumento de 3,3 pontos percentuais em comparação ao primeiro trimestre de 2016. O yield expandiu 1,2% em relação ao primeiro trimestre de 2016, resultando no aumento de 5,5% no PRASK.
O aumento de R$82,6 milhões, ou 43,3%, nas outras receitas deve-se, principalmente, a R$ 29,0 milhões relacionados com o subarrendamento de 15 aeronaves à TAP, iniciado no segundo trimestre de 2016, aumento de 34% na receita de cargas, e ao aumento nas receitas auxiliares relacionadas a passageiros, impulsionado por um aumento de 7% no número de passageiros ano a ano. Outras receitas por passageiro aumentaram 33,8%, passando de R$36,2 por passageiro no primeiro trimestre de 2016 para R$48,5 por passageiro no primeiro trimestre de 2017.
A receita líquida total por ASK (RASK) aumentou 9,4%, de 26,83 centavos no primeiro trimestre de 2016 para 29,35 centavos nesse trimestre.
Custos e Despesas Operacionais
Os custos e despesas operacionais mantiveram-se estáveis em R$1.668,6 milhões, representando um ligeiro crescimento de 0,4% em relação ao primeiro trimestre de 2016.
Os custos por ASK (CASK) diminuíram 2,2% para 26,14 centavos. Excluindo o combustível, os custos e despesas operacionais por ASK diminuíram 6,9%, devido principalmente às nossas iniciativas de redução de custo e à apreciação média de 19,5% do real frente ao dólar, o que resultou em menores despesas de aluguel de aeronave e manutenção.
Resultado não operacional
Os resultados não operacionais incluem receitas financeiras, despesas financeiras, instrumentos financeiros derivativos, o impacto das variações cambiais e os resultados com partes relacionadas. A Azul registrou despesas financeiras líquidas de R$156,5 milhões no primeiro trimestre de 2017, comparado com R$75,0 milhões no primeiro trimestre de 2016.
As receitas financeiras aumentaram 6,1%, total de R$8,1 milhões, relacionada principalmente com o aumento do caixa total, que considera caixa, aplicação financeira circulante e não circulante e aplicações financeiras vinculadas circulantes e não circulantes, que passou de R$854,0 milhões em 31 de março de 2016 para R$1.517,3 milhões em 31 de março de 2017.
As despesas financeiras reduziram 35,3%, totalizando R$139,3 milhões, em decorrência de saldo da dívida bruta 14,2% inferior, sendo R$3.715,9 milhões em 31 de março de 2017, comparado com R$4.331,7 milhões em 31 de março de 2016, redução do CDI médio no período, que passou de 14,1% no primeiro trimestre de 2016 para 12,7% no primeiro trimestre de 2017, e redução de outras despesas em 40,7%, principalmente relacionado à despesas não recorrentes do primeiro trimestre de 2016.
A Azul utiliza instrumentos financeiros para proteger seu fluxo de caixa futuro das taxas de juros flutuantes e das taxas de câmbio de moeda estrangeira. Em 31 de março de 2017, a Azul havia fechado contratos de combustível de aproximadamente 20% do restante do consumo de 2017 por meio de instrumentos financeiros derivativos e contratos de preço fixo com nosso principal fornecedor.
Liquidez
A Azul encerrou o trimestre com R$1.517,3 milhões em caixa, equivalentes de caixa, aplicação financeira circulante e não circulante e aplicações financeiras vinculadas circulantes e não circulantes, comparado com os R$1.795,6 milhões em 31 de dezembro de 2016. Considerando a linha de contas a receber, a posição de liquidez total da Azul foi de R$2.139,8 milhões no final do primeiro trimestre de 2017, ante R$2.468,9 milhões em dezembro de 2016 e R$1.665,2 milhões em 31 de março de 2016.
Além de encerrar o trimestre com uma sólida posição de caixa, a Azul também amortizou R$401,2 milhões de dívidas durante o primeiro trimestre de 2017. Com os recursos do IPO recebido em abril, a posição de caixa da Companhia será significativamente reforçada nos próximos meses.
Empréstimos e Financiamentos
Ao final do primeiro trimestre de 2017, a dívida total da Azul era de R$3.715,9 milhões, com prazo médio de 2,2 anos, e custo médio de 13,6% para a dívida local (taxa média do CDI foi de 12,7% no primeiro trimestre de 2017) e de 4,0% para a dívida em dólares. Aproximadamente 55% da dívida da Azul é denominada em reais.
A dívida de curto prazo da Azul, excluindo o financiamento de aeronaves, totalizou R$710,0 milhões em 31 de março de 2017. Os recursos do IPO serão utilizados parcialmente para amortizar a dívida de capital de giro nos próximos doze meses. A dívida de capital de giro consiste principalmente em empréstimos com bancos
brasileiros que utilizam recebíveis como garantias, e é denominada em moeda local para mitigar a exposição às flutuações cambiais. Aproximadamente 98% da dívida não relacionada à aeronave estava denominada em reais em 31 de março de 2017.
Frota e Investimentos
Em 31 de março de 2017, a Azul possuía uma frota operacional de 122 aeronaves, composta por 71 E-Jets, 39 ATRs, sete A320neos e cinco A330, com idade média de 5,0 anos. A frota contratual da Companhia, que inclui 15 aeronaves subarrendadas à TAP, totalizou 142 aeronaves, das quais 37 estão em leasing financeiro e 105 em leasing operacional. As 20 aeronaves que não estão na frota operacional consistem em 15 aeronaves subarrendadas, 4 E-Jets que estão em processos de transferência para a TAP, e um ATR.
Projeções 2017
Em 2017 a Azul espera um ligeiro aumento no número de decolagens, entre 1% e 2%, e também substituir aeronaves menores por A320neos, que devem totalizar 11 até o final do ano. Como consequência, os ASKs devem aumentar entre 11% e 13%. Os A320neo representaram 11% do ASKs do primeiro trimestre de 2017 e esperasse que eles representem até 20% no final do ano.
Como resultado da introdução de mais assentos a companhia espera uma redução no CASK ex-fuel entre 3,5% e 5,5% na comparação anual. A margem operacional esperada deverá atingir entre 9% e 11%.
Estas projeções baseiam-se em estimativas preliminares e estão sujeitos a alterações devido às flutuações nos preços do petróleo, na taxa de câmbio e nas condições macroeconômicas gerais.
Click to add a comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

Finanças

More in Finanças

CVM suspende IPO da Azul por até 30 dias

Aviação Brasil (Redação)6 de abril de 2017

O potencial dos aeroportos leiloados de Fortaleza, Salvador, Florianópolis e Porto Alegre

Aviação Brasil (Redação)22 de março de 2017

Embraer 2016…e o que a companhia espera para 2017 no segmento comercial

Aviação Brasil (Redação)9 de março de 2017

Comissão aprova projeto para coibir abuso na remarcação de passagem aérea

Aviação Brasil (Redação)20 de dezembro de 2016

Copyright © 2017 Aviação Brasil - AB Portais e Serviços em Tecnologia da Informação - (11) 2594-9806