Com crise aérea em evidência, ações de Gol e TAM despencam em julho

151

O mês de julho não acompanhou a tendência positiva dos últimos meses e o Ibovespa, principal índice da Bolsa, acumulou leve baixa de 0,39% no período, diante de preocupações com o setor imobiliário dos EUA.

No extremo negativo do índice, as ações preferenciais da Gol acumularam expressiva queda de 27,11%, fechando esta terça-feira a R$ 46,51. Com esta desvalorização, os papéis acumulam perda de 25,71% desde o início do ano.

Já os papéis preferenciais da TAM encerraram o mês com desvalorização de 20,56%, fechando o pregão desta terça-feira cotados a R$ 51,00. No ano, a baixa chega a 22,10%.

A crise pela qual passa o setor aéreo brasileiro foi agravada no último dia 17 após o acidente com o avião da TAM, no aeroporto de Congonhas em São Paulo. O fato foi o principal fator para significativa queda dos papéis das companhias aéreas.

Depois do acidente, analistas passaram a revisar as suas estimativas para o setor aéreo que, já prejudicado pela crise, revela um futuro ainda mais incerto para as companhias aéreas que dependem ainda do avanço das investigações sobre o acidente e de novas medidas do Governo para reduzir as incertezas da aviação no Brasil.

A aposta é de que no curto prazo haverá muita volatilidade com as ações da TAM e da Gol e que, apesar da expressiva desvalorização, este ainda não seria o momento ideal para a compra dos ativos das companhias.

FONTE: Aviação Brasil via Infomoney – Redação – Sâo Paulo/SP