Murilo Marques Barboza é o novo presidente da Infraero

257

A cerimônia, presidida pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, foi realizada no Aeroporto de Brasília/Juscelino Kubitschek, um dos 67 aeroportos administrados pela estatal. Cerca de 500 pessoas participaram do evento. O novo presidente afirmou também que não chega à Infraero com a intenção de realizar um choque de gestão, mas, sim, de dar continuidade ao incansável e competente trabalho de seus antecessores.

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, ressaltou que a missão do novo presidente é consolidar a Infraero como uma empresa para servir à população brasileira e oferecer a ela resultados. Jobim também destacou a importância de se manter a estrutura profissionalizada alcançada na estatal com as recentes mudanças no seu Estatuto. “O staff tem que ter como resposta resultados, metas e objetivos que são definidos claramente pela necessidade do povo brasileiro de voar”, alertou.

Murilo Barboza chega do Ministério da Defesa, onde ocupava o cargo de Chefe de Gabinete. Carioca, 55 anos, iniciou sua carreira profissional na área de ensino e pesquisa, prosseguindo no Departamento de Telecomunicações do Governo do Rio de Janeiro, Nuclebrás e Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN). Entre os outros cargos que ocupou estão o de presidente do Conselho Fiscal da Companhia Docas do Estado de São Paulo e diretor de Telecomunicações da Presidência da República, por oito anos.

O engenheiro eletricista substitui o Tenente Brigadeiro do Ar Cleonilson Nicácio Silva que, por dois anos, permaneceu na Infraero, inicialmente ocupando o cargo de diretor de Operações e, nos últimos nove meses, na Presidência. Durante o discurso de despedida, Nicácio lembrou que quando chegou à empresa se surpreendeu com a dedicação de funcionários “para recuperar a credibilidade do sistema, de uma empresa, de uma marca”. “Fizemos tudo o que foi possível fazer e o desafio agora é prestar o melhor serviço aeroportuário do mundo, já que a Infraero é operadora da segunda maior rede de aeroportos entre todos os países e a terceira maior em processamento de passageiros”, concluiu.

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP