Novo projeto de compensação de carbono da British Airways beneficia comunidade e florestas do Brasil

250

A British Airways lança hoje novidades em seu programa de compensação de carbono no mundo. A iniciativa inclui o Brasil na lista de países beneficiados. O principal projeto da iniciativa é a usina hidrelétrica de Faxinal dos Guedes, em Santa Catarina. O objetivo da estrutura é gerar até 21.725 MWh de eletrecidade por ano, substituindo a energia gerada por carvão, principal fonte na localidade. Além disso, a companhia aérea também procura parceiros para projetos contra o desflorestamento no país. O programa visa reduzir o impacto da aviação no meio ambiente e, principalmente, na alteração do clima.

O projeto usa o certificado das Nações Unidas para redução de emissão de carbono no financiamento de programas de energia menos poluente em países em desenvolvimento.

Os clientes que compensarem suas emissões de gás carbônico ao voar com a British Airways estarão ajudando aos projetos da companhia no Brasil, além de colaborar com uma usina hidrelétrica e produção de energia com moinhos de vento em uma das regiões mais pobres da China.

O programa é ainda mais prático para clientes que quiserem reservar seus vôos e comprar sua compensação pelo site ba.com. O custo da compensação de carbono de um vôo São Paulo até Londres, por exemplo, é de US$ 55,84 .

Hillary Benn, Secretário para assuntos de Meio-Ambiente, Alimentação e Agricultura do Reino Unido comentou sobre o programa: “Depois de evitar e reduzir as emissões, a compensação de gás carbônico nos ajuda a diminuir o impacto na mudança do clima no globo. Espero que este programa incentive os clientes da British Airways a compensarem a emissão de carbono de seus vôos”, complementa Benn.

Além dos programas de compensação, a British Airways vai investir em uma gama de projetos para ajudar a proteger a floresta tropical brasileira e melhorar as maneiras de combater as maiores fontes do efeito estufa.

A British Airways também vai trabalhar junto com a Universidade de Cambridge para estabelecer conhecimento científico sobre os efeitos não-CO2 da aviação até 2012. Silla Maizey, diretora de Responsabilidade Corporativa da companhia, disse que as novas iniciativas enfatizaram o comprometimento da British Airways com o combate às alterações no clima terrestre. “Nós somos a primeira empresa aérea a oferecer compensação de carbono, e nós pretendemos continuar pioneiros nesta área. As alterações de clima são de responsabilidade de todos, e acreditamos que, controlando as emissões de carbono com aeronaves mais modernas e programas de compensação, estamos ajudando a melhorar meio-ambiente globalmente. Os clientes terão acesso ao nosso programa de forma fácil, basta um click no www.ba.com.”, afirma Silla.

A Hidrelétrica de Faxinal dos Guedes é um projeto único na região de Santa Catarina. É uma usina hidrelétrica de pequeno porte que usa o Rio Chapecozinho para gerar energia. O curso do rio não será praticamente alterado, o que não terá impacto ambiental. A iniciativa pretende reduzir a emissão de CO2 em 5.672 toneladas por ano. A usina irá gerar 21.725 MWh de eletricidade anuais, o que evitará apagões na região, além de criar empregos e atrair investimentos.

Uma família brasileira usa em média 2.4 MWh por ano de eletricidade em casa. O consumo de energia de uma casa no sul do país é o equivalente a 0.7 toneladas de CO2 por ano. Isto quer dizer que a hidrelétrica de Faxinal dos Guedes está projetada para sustentar 8.103 casas brasileiras sem emissão de gás carbônico.

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP

Publicidade