Pilotos acusam Varig-TAM de “oficializar cartel” do setor aéreo

166

A Apvar (Associação dos Pilotos da Varig) acusou a Varig e a TAM de quererem oficializar o “cartel do setor aéreo”. Para a associação, a proposta apresentada pelas duas empresas hoje ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) acaba com a concorrência de preços.

“Esta idéia é ótima para qualquer empresa. Quem não quer combinar os preços de seus produtos com o concorrente? Esta não é a melhor saída para o problema financeiro das duas companhias”, disse o vice-presidente da Apvar, Márcio Marsillac.

Pela proposta apresentada ao Cade, a Varig e a TAM criariam uma nova empresa para administrar o compartilhamento de vôos (code-share), emissão automática de bilhetes, utilização do sistema de atendimento ao usuário e até a definição de políticas tarifárias.

Segundo a Apvar, esta proposta é prejudicial para o consumidor. “É uma violação do direito do consumidor, que será prejudicado pela falta de concorrência de preços entre as duas maiores empresas do setor aéreo”, afirmou Marsillac.

Além disto, a unificação de tantas operações também deve resultar na eliminação de postos de trabalho tanto na Varig como na TAM. “É lógico que haverá redução de mão-de-obra. Para reduzir custos, as duas empresas vão unir operações e cortar custos. Existem formas mais inteligentes e criativas de atuar no país”, disse Marsillac.

Na reunião de hoje, a Varig e a TAM anunciaram ao Cade que querem adiar por pelo menos 2 anos a decisão sobre a fusão societária entre as duas empresas.

Neste período, as duas companhias querem não só continuar com o code-share –que atinge 60% da malha aérea– como estender o compartilhamento para até 100% dos vôos.

Além disto, ao final do prazo de 2 anos, a Varig e a TAM também querem ter o direito de rejeitar a fusão.

A Varig informou que não vai se pronunciar sobre a acusação. Segundo a empresa, o consultor Luciano Coutinho já disse tudo o que tinha para ser dito após a reunião do Cade. Procurada pela reportagem, a TAM ainda não se manifestou.

FONTE: FABIANA FUTEMA, Folha Online – Fernando Valduga – Porto Alegre/RS