Swiss fecha 2009 no azul

169

“Temos que nos contentar com o resultado obtido em 2009, pois operamos no azul nos quatro semestres, apesar da nítida queda das receitas e sensível recuo das classes de reserva mais altas para as mais baixas”, disse o diretor executivo da SWISS, Harry Hohmeister. “Graças aos pontuais ajustes da oferta de espaço à demanda, à forte orientação pelo cliente e à severa gestão de custos, conseguimos controlar a crise tanto quanto possível.”

A crise acelerou nitidamente a transformação estrutural. Não se pode esperar uma recuperação rápida da indústria da aviação nem mesmo no caso de uma recuperação econômica. No ano passado, a SWISS ajustou sua oferta de espaço à demanda principalmente nas rotas intercontinentais e reduziu o número de alguns voos. A oferta foi reduzida em 6% em comparação ao horário de voos original (menos 4% em comparação ao ano anterior), dos quais 3% na Europa e 8% no tráfego intercontinental. A SWISS mantém seu leque de destinos, mas estacionou temporariamente dois aviões e diminuiu o número de voos na Europa conforme a demanda. Lyon e Oslo foram introduzidos no horário de voos.

“Pretendemos colocar em prática vários planos durante o ano em curso. Queremos aumentar sensivelmente as receitas dos negócios de passageiros e carga em 2010, e não só aumentar o resultado por meio de reduções de custos”, disse Hohmeister. “Alegra-nos especialmente o fato de podermos oferecer São Francisco como novo e atraente destino aos nossos clientes. A SWISS continua sendo um acelerador de empregos e econômico, e mais uma vez deverá admitir centenas de novos funcionários este ano.”

“Nossa severa gestão de custos contribuiu decisivamente para que pudéssemos operar no azul durante todo o ano de 2009. Uma estrutura de custos competitiva é fator central de sucesso, mesmo durante um possível crescimento econômico. Além disso, o desenvolvimento dos custos não influenciáveis, principalmente os preços de combustível e os câmbios, continua incerto”, disse o chefe financeiro da SWISS, Marcel Klaus.

No ano passado, a SWISS transportou 13,8 milhões de passageiros, o maior número de sua história, e que corresponde a um aumento de 2,4% em comparação a 2008 (13,5 milhões). O fator de aproveitamento de assentos (SLF) ficou levemente aquém do do ano anterior e chegou a 80,1% (2008: 80,3%). O número de voos SWISS aumentou 1,6%, para 136.536. A retração da oferta atingiu quase que exclusivamente o tráfego intercontinental; o SLF recuou apenas levemente de 84,2% em 2008 para 83,2% em 2009. Na Europa, a SWISS aumentou o SLF em 2,0 pontos percentuais, para 74,1% (2008: 72,1%). Os negócios de carga aérea geridos pela Swiss World Cargo se beneficiaram com a leve recuperação no quarto trimestre de 2009 e o fator de aproveitamento de volume de carga diminuiu 6,9 pontos percentuais ao longo do ano (70,7% em comparação a 77,6% no ano anterior).

No trimestre passado, mais de 3,52 milhões de passageiros viajaram SWISS, 5,6% a mais do que no quarto trimestre de 2008. O fator de aproveitamento de volume de carga no quarto trimestre, de 81,9%, ficou 12,4 pontos percentuais acima do do ano anterior.

Em 31.12.2009, o número de funcionários da SWISS era de 7.342 funcionários (31.12.2008: 7.337). O número de vagas de carga horária integral era de 5.945 (31.12.2008: 6.026). Os funcionários da Swiss WorldCargo trabalharam em horário reduzido de junho a outubro. A SWISS lançou diversas outras medidas de pessoal, como por exemplo, a não-ocupação ou ocupação prorrogada de vagas livres, facilitação de férias não-remuneradas para o pessoal em terra ou desistência de salários por parte dos membros da diretoria. Tudo isso contribuiu para garantir vagas de trabalho. A SWISS admitiu cerca de 600 funcionários em 2009, principalmente a bordo.

No início de 2009, a SWISS recebeu o almejado prêmio Skytrax 2009 World Airline Award de “Melhor Empresa Aérea da Europa” nas rotas de curta e média distância. O prêmio resultou da última pesquisa de opinião feita pela renomada empresa de consultoria britânica Skytrax, realizada com vários milhões de passageiros. É a quarta vez consecutiva que a SWISS é escolhida “Melhor Empresa Aérea no Tráfego Europeu” no âmbito do Business Traveller Award. Além disso, a SWISS foi premiada no quesito “Voos diretos e de baldeação para as Américas do Norte e do Sul” e ganhou o primeiro prêmio na categoria “Melhor Business Class para as Américas do Norte e do Sul”. Os funcionários da SWISS estão de uniforme novo desde o final do ano – é o primeiro uniforme homogêneo desde a fundação da empresa aérea.

A SWISS atingiu um valor de ponta e o melhor resultado em sua história. Em 2009, 84,4% des todos os voos SWISS partiram dentro do limite de tolerância de 15 minutos. Este aumento se deve tanto à otimização dos procedimentos operacionais da SWISS e da colaboração com as parceiras nos aeroportos, como à retração das operações de voo no tráfego aéreo em geral. O quarto trimestre, com índice de pontualidade de 81,0%, ficou 1,6 ponto percentual aquém do do último trimestre de 2008 devido às fortes nevascas na Europa em dezembro.

Após as reduções da oferta de espaço feitas no final do ano, o número de voos da SWISS voltará a aumentar em meados deste ano. A oferta de espaço da SWISS na Europa será 2% maior que em 2009 e 8% maior nas rotas intercontinentais. Os voos para Lyon e Oslo, introduzidos no horário de voos SWISS em 2009, aumentaram sua atratividade. Desde janeiro de 2010, a SWISS também serve o novo destino Londres-Heathrow, seis vezes por dia a partir de Genebra. Dois aviões de longa distância continuarão estacionados até o final do atual horário de voos e depois serão novamente ativados: em 2 de junho de 2010, a SWISS inaugurará o destino São Francisco. Além destes, destinos como Los Angeles, Chicago, São Paulo voltarão a ser servidos diariamente e Delhi receberá seu sexto voo semanal. A partir de maio, a SWISS aumentará consideravelmente o número de voos para Málaga e voará 14 vezes por semana para a Costa do Sol.

FONTE: Aviação Brasil – Redação – São Paulo/SP