Uma nova aeronave para o Presidente do Brasil

174

O transporte aéreo de altas autoridades governamentais é uma atividade que se reveste de grande importância para qualquer país do mundo, exigindo extremo profissionalismo dos pilotos da FAB que, no Brasil, detêm essa responsabilidade.

Atualmente, as aeronaves VC-96 (Boeing 737), sediadas na Base Aérea de Brasília e operadas pelo Grupo de Transporte Especial (GTE), realizam a missão específica de transporte do Excelentíssimo Sr. Presidente da República e de autoridades nacionais e estrangeiras.

No entanto, devido às suas características de construção, o VC-96 não é a aeronave mais adequada à realização de viagens transcontinentais. Para deslocamentos desse tipo, ou seja, de longas distâncias, o Presidente da República tem sido transportado em aeronaves KC-137 (Boeing 707), sediados na Base Aérea do Galeão e operadas pelo 2º/2º Grupo de Transporte (Esquadrão Corsário).

Apesar de se constituir em uma aeronave de grande importância para as operações militares, há vários anos, a substituição do KC-137 por uma aeronave moderna para atender às necessidades do Presidente da República, constituiu-se em um processo natural, haja vista, sua crescente obsolescência, os altos custos de operação e manutenção, além de restrições para o sobrevôo de alguns países, impostas por normas internacionais de aviação civil.

Diante dessa conjuntura, e após um rigoroso Processo de Seleção, um novo avião foi adquirido pelo Brasil e será entregue, até o final desse ano, à Força Aérea Brasileira para cumprir as missões hoje realizadas pelo KC-137 como aeronave presidencial. Essa nova aeronave será o Airbus Corporate Jetliner (ACJ) da Airbus Industries.

O ACJ, que é baseado na plataforma Airbus A-319, constitui-se em uma aeronave dotada de concepção tecnológica moderna, de eficiente desempenho e, sobretudo, de conforto e segurança em níveis compatíveis com o transporte presidencial.
Essa nova aeronave é capaz de operar a partir dos principais aeroportos do país – inclusive os de pista curta como Congonhas e Santos-Dumont – e também de realizar vôos de longa duração, graças ao seu alcance de quase 8.500 Km (4.700 milhas náuticas), permitindo vôos de Brasília a Paris, a Nova Iorque ou a Washington sem escalas.

As principais características do ACJ são: maior conforto interno, menor consumo de combustível, custo de operação e manutenção inferiores, sistemas de navegação e comunicação muito eficientes e confiáveis, baixo níveis de ruído externo – podendo operar sem restrições em qualquer país -, compatibilidade com os novos sistemas de separação de aeronaves em aerovias e tecnologia de última geração (“estado da arte”) – com os comandos de vôo assistidos por computador (“fly by wire”) e do tipo “joystick”, instalados nas laterais da cabine.

Por razões óbvias, o transporte de autoridades é recoberto de exigências extremamente rígidas. A aquisição dessa nova aeronave, além de permitir o atendimento mais efetivo das missões presidenciais, proporcionará novos conhecimentos, novos desafios e novas oportunidades aos homens e mulheres da Força Aérea Brasileira, em especial, àqueles que conduzem os que conduzem os destinos da nação.

FONTE: FAB – Fernando Valduga – Porto Alegre/RS