United Airlines apresenta seu plano de reorganização para sair da concordata

163

A UAL Corporation, a empresa holding da United Airlines, ingressou hoje com seu Plano de Reorganização junto ao Tribunal de Falências no Estado norte-americano de Illinois . O plano de reorganização inclui não somente a UAL e a United, mas outras 26 subsidiárias que pediram concordata voluntariamente em 9 de dezembro de 2002. A empresa pretende sair da concordata no começo do próximo ano como uma companhia muito mais competitiva , com uma base financeira sólida e com um firme foco na prestaçao de serviços de alta qualidade a seus clientes.

“A United atingiu um tremendo progresso na sua reestruturação visando a melhoria de seu desempenho em todas as áreas de atuação, como em custos, faturamento, operações e serviços ao cliente. Hoje, somos uma companhia mais flexível, mais eficiente e mais atualizada com as necessidades dos novos tempos. Como resultado disto, a United encontra-se, agora, numa posição para competir com as melhores companhias aéreas e enfrentar os desafios de uma indústria tipicamente volátil”, disse Glenn Tilton, presidente do conselho de administração e principal diretor executivo da empresa.

O plano apresentado inclui um perfil da história da companhia, uma relação dos seus credores e uma análise da viabilidade do plano, como também todos os demais aspectos técnicos necessários para a empresa sair da concordata como, por exemplo, as descrições de quem poderá votar no processo do Plano de Reestruturação e do processo de votação em si.

De acordo com o Plano de Reestruturação, alguns credores receberão lotes de novas ações ordinárias da UAL. Os atuais acionistas de ações ordinárias e preferenciais não terão direito a ações. A United já deixou claro há algum tempo que espera que suas ações ordinárias não terão valor dentro de qualquer plano de reorganização proposto por ela.

O plano contempla um pacote de financiamento da ordem de U$ 2,5 bilhões. Como já foi anunciado, a empresa recebeu propostas, em termos e condições bem competitivos, de quatro instituições distintas para sair da concordata.

“Estas propostas que recebemos representam um voto importante de confiança no progresso que realizamos durante todo o processo de nossa reestruturação, do nosso plano de negócios e, em última análise, no futuro da United — bem como em nossa capacidade de gerenciamento de uma crise no meio de um ambiente altamente complexo para a indústria de aviação como, por exemplo, uma alta não prevista dos preços dos combustíveis”, disse o vice presidente executivo e principal diretor de finanças da United Airlines, Jake Brace.

“A United é, hoje, uma empresa totalmente diferente do que era há três anos. A empresa tomou decisões difíceis, mas necessárias, e usou o tempo de forma adequada para conseguir a reestruturação fundamental de seus negócios”, disse James J. O’Connor, diretor da companhia. “A empresa inicia, neste momento, outro passo significativo na direção de sua saída do processo de concordata”.

O plano indica, ainda, a possibilidade de oferta a seus credores de ações ordinárias da UAL, em base pro-rata, no valor aproximado de U$ 500 milhões. Esta iniciativa visa dar a companhia a possibilidade de captação de fundos adicionais para atender suas necessidades básicas de capital para tocar suas operações, reduzir seu débito e fortalecer a estrutura de capital.

Uma audiência para determinar a viabilidade deste Plano de Reestruturação está marcada para o próximo dia 11 de outubro.

FONTE: Aviação Brasil – Assessoria de Imprensa – São Paulo/SP